Pesquise Modelo de Projeto Social

29 abril 2021

Óculos de Enxergar a Alma

Enxergarei ao longe e mesmo em noite escura sua imagem jamais desaparecerá. Por que? Tenho os olhos abertos para tudo, inclusive o futuro e o passado, e corro no encalço da vida que tive, que talvez eu mereça viver novamente. Em um turbilhão de cores te vejo, embora longe, te alcanço todos os dias, pois tudo ficou gravado em minha alma.
Victor S. Gomez - Escritor


GRAFFITI FINE ART conta com mais de 15 exposições de arte urbana com convidados nacionais e internacionais.

28 abril 2021

Jean-Baptiste Debret

O pintor francês Debret, Jean-Baptiste, veio ao Brasil juntamente com a Missão Artística Francesa em 1816. Sob a influência de Jacques-Louis David, iniciou sua carreira artística. Participou da Missão chefiada por Lebreton e residiu no Brasil entre 1816 e 1831, dedicando-se à pintura e ministrando aulas. 

Debret estudou a sociedade brasileira e nas suas pinturas retratou as paisagens e destacou a forte presença dos escravos. Em 1829, por iniciativa própria, realizou a primeira exposição de arte do Brasil. Em 1831 volta a França alegando problemas de saúde, depois de viver 15 anos no Brasil, revelou uma forte relação pessoal e emocional pelo país. Com um forte e esplêndido traço, retratou com emoção e sensibilidade, os maus tratos a que eram submetidos os escravos naquela época, a vida dos índios brasileiros e as belas paisagens tropicais de nosso país. 



fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Jean-Baptiste_Debret

27 abril 2021

Exposição 30 anos Mamulengo Presepada

Assunto que interessa a todos que trabalham com teatro, principalmente aqueles que levam a sério o trabalho com bonecos.

De 04/11/2014 até dia 04/12/2014, às 20hs na Galeria Olho de Águia, no Bar Faixa de Gaza em Taguatinga - Brasília - DF.


O grupo Mamulengo Presepada é coordenado a 30 anos pelo brasiliense Chico Simões, ator brincante e Mestre das Culturas Populares.

O grupo de teatro Mamulengo Presepada se prepara para as comemorações dos seus 30 anos de existência, e para começar os trabalhos preparamos uma exposição com o acervo de bonecos que o grupo formou ao longo de todos esses anos de andanças, presepadas e brincadeiras pelo Brasil e mundo afora.

"Mamulengo é brincadeira com atores e bonecos, brincadeira levada a sério a 30 anos pelo Presepada"


O grupo que já percorreu mais de 20 países e apresentou-se mais de 2.500 vezes em praças, escolas, festivais e encontros hoje possui um vasto acervo de bonecos brasileiros e bonecos do mundo. Alguns países como Vietnã, Birmânia, Itália, Portugal, China, Irã compõem o acervo com bonecos de variadas técnicas como; manipulação direta, vara, fio, luva.

A Galeria Olho de Águia e o grupo de teatro Mamulengo Presepada convidam a todos para abertura da exposição 30 anos Mamulengo Presepada no dia 04/11/2014 às 20hs na Galeria Olho de Águia com apresentação dos grupos Roupa de Ensaio e Mamulengo Presepada.

A exposição permanecerá durante o período de 04/11/2014 até dia 04/12/2014, dia que será firmado o Registro do Teatro de Bonecos Popular do Nordeste como Patrimônio Cultural do Brasil pelo IPHAN.

25 abril 2021

Cida Vieira Esculturas

Por volta de 1999, chega em Marechal Deodoro, Alagoas, o artesão Soço com sua família vindos da cidade de Boca da Mata. Cidade tradicionalmente conhecida pelas esculturas em madeira do velho Manoel da Marinheira onde Soço adquiriu sua técnica. Sua esposa Rita Aparecida Rosendo Vieira, conhecida por Cida, inicialmente se limitava a ajudá-lo complementando suas peças de bichos entalhados em troncos de jaqueiras até que o destino a separou do marido que veio a falecer pouco tempo depois da chegada na cidade.


Cida e Anderson, seu filho, deram continuidade ao trabalho pelo amor ao ofício e como forma de sobrevivência. Cida Vieira foi se libertando das imposições e quebrando aos poucos os grilhões que a prendiam a seus mestres e foi fugindo das repetidas peças artesanais com a marca registrada do ofício de Boca da Mata. Hoje, Cida pode ser conhecida não simplesmente como uma artesã que domina o entalhe na madeira, mas como uma verdadeira artista que utiliza a escultura como seu veículo de expressão.

Suas obras e de seu filho podem ser apreciadas e adquiridas em sua loja/atelier na AL-101 Sul, próximo ao trevo da Praia do Francês.
Contato: (82) 3260-1257.
vieira.arte@gmail.com


24 abril 2021

Arte Sol: Em Prol do Artesanato Solidário

O novo site da ArteSol mostra um trabalho de grande valor. Eles são uma Oscip (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público), que se preocupa com a sociedade e tem uma política de responsabilidade sócio ambiental, o que já faz dele um um importante trabalho em benefício de todos. Sempre voltados para as populações mais carentes, buscam a preservação da cultura popular, preservando o artesanato tradicional, além de buscar a transformação social do segmento que apoia.


O ArteSol ainda oferece capacitação em diversas áreas, visando a melhoria do trabalho artesanal e a geração de renda para o artesão, além de  ser contra o trabalho infantil e a favor do respeito ao meio ambiente.


"O ArteSol nasceu da preocupação sensível de pessoas reunidas em torno do desejo e da necessidade de oferecer respostas a desafios colocados pela realidade social brasileira. Inicialmente idealizado como projeto de combate à pobreza em regiões castigadas pela seca, o Artesanato Solidário/ArteSol foi concebido em 1998 como um programa social, e a partir de 2002, tornou-se uma Oscip (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público).

Suas ações beneficiam particularmente brasileiros situados nas comunidades mais pobres do país. É uma iniciativa norteada pela convicção de que as práticas culturais populares, como o artesanato tradicional, são um poderoso acervo para transformações sociais." Leia mais...

23 abril 2021

Marcelino Sanz de Sautuola

Em 1879 um homem e sua pequenina filha de oito anos, caminhavam pela região de Cântabro de Santillana Del Mar, Espanha, a procura de peças arqueológicas. Uma brisa suave que vinha da direção do mar, fazia com que a caminhada se tornasse mais leve.


Com olhos aguçados vasculhava cada pedaço do lugar a procura de objetos antigos. Não sabia estar próximo de encontrar algo, que se tornaria uma das maiores descobertas do século XIX. Quase sem perceber pararam diante de uma caverna. Ao entrar na gruta de Altamira, sua filha Maria avançou por uma ala até então desconhecida da caverna e para sua surpresa ao ir atrás da menina, ele encontrou várias pinturas rupestres.


As pinturas situadas na parte mais profunda da caverna eram usadas em rituais mágicos pelos homens primitivos. Para o homem das cavernas ter a pintura, era ter a certeza da captura do animal.

Usando os dedos e vários tipos de pigmentos de plantas, argila, carvão, sangue, oxido de manganês e gordura animal, esses artistas do período paleolítico realizaram verdadeiras obras de arte.

O autor dessa importante descoberta, Marcelino Sanz de Sautuola, farmacêutico, botânico e arqueólogo, morreu desacreditado. Somente anos mais tarde, foi lhe dado o devido crédito.


































22 abril 2021

Edital Circuito das Águas e região

Não percam essa grande oportunidade. Edital Circuito das Águas e região 

O Vagão 98 está recebendo inscrições para edital de auxílio emergencial para pessoas e entidades que trabalham com arte e cultura para o público infanto-juvenil, de 14 cidades do Circuito das Águas e região. 

Até o dia 04 de maio, o Centro Cultural receberá inscrições para o novo edital de auxílio emergencial aos atores da produção artística e cultural voltada para crianças e adolescentes. Podem se inscrever pessoas físicas ou jurídicas, de entidades com fins lucrativos ou não, com comprovada atuação no setor, domiciliadas em: Baependi,Cambuquira, Campanha, Carmo de Minas, , Caxambu, Conceição do Rio Verde, Dom Viçoso, Heliodora, Jesuânia, Lambari, Olímpio Noronha, São Lourenço, Soledade de Minas e Três Corações.

21 abril 2021

A Arte de Velázquez

Artista preferido da corte do Rei Filipe IV de Espanha, Diego Rodríguez de Silva y Velázquez, era filho de um fidalgo de origem portuguesa e foi batizado em Sevilha, Espanha, em 6 de junho de 1599. Quando adolescente estudou arte com Francisco Pacheco e aprendeu muito de estudando a natureza.

Depois de seu casamento aos 19 anos de idade, Velázquez foi para Madri. Autor de pelo menos 100 obras de arte, teve o privilegio de se tornar cavaleiro da Ordem de Santiago, por ser fiel a coroa. Artista de técnica invejável, Velásquez é admirado por muitos críticos de arte.


fonte da imagem: pt.wikipedia.org

Velásquez tinha grande habilidade em fundir cor, luz, espaço e era conhecido como exímio pintor de retratos.  Alguns dos grandes pintores influenciados por ele são Francisco de Goya, Camille Corot, Gustave Courbet, Edouard Manet, e James McNeill Whistler. Apresento aqui três obras de arte do mestre: Autorretrato, Crucificação de Jesus Cristo e a mais conhecida de suas obras, As meninas, cujo nome verdadeiro é A família de Felipe IV.


fonte da imagem: pt.wikipedia.org

20 abril 2021

Rumble: Os Índios que Balançaram o Mundo

A arte nos envolve com suas possibilidades e com seu conceito de integração. As misturas sempre favorecem o continuo crescimento da arte, fazendo com que a criatividade se expanda de forma a trazer a miscigenação de diversas culturas, o que nos mostra que tudo é possível, até mesmo vivermos em paz apreciando o que é belo.


Assustadoramente rico e ressonante documentário de música. A música popular americana - e a história do rock and roll - não seria a mesma sem as contribuições dos artistas nativos americanos. Um lembrete de que as vozes e a música dos povos indígenas não podem ser silenciadas ou ignoradas.


19 abril 2021

A natureza Encontra um Caminho.

Texto e fotos de: Victor S. Gomez

Se dermos uma chance à natureza ela encontra um caminho, cresce silenciosa e cada vez mais bonita. Nada é tão difícil de ser mudado, se realmente assim você o desejar.

Comece a mudar o que você puder, mude seu interior, mude seu pensamento, mude suas atitudes, idealize novos projetos, transforme-se primeiro, somente assim você conseguirá transformar outras pessoas e melhorar o lugar onde vive.  

A natureza encontra um caminho.

Como ficou o nosso plantio na Serra dos Mascates. Entre 2009 e 2011 plantamos no alto da Serra dos Mascates cerca de 1000 mudas de árvores nativas da Mata Atlântica. Na época eu participava do Projeto SOS Serra dos Mascates juntamente com André Dias. Projeto esse que levava crianças e adolescentes de colégios públicos e particulares, além de instituições parceiras, como UNIMED, Rotary Club, Johrei Center Valença e outras, para plantio de mudas. O projeto foi um sucesso, tanto em relação a diminuição de queimadas, como também no reflorestamento, como mostram essas fotos, tiradas por mim, semana passada, quando de um visita que fiz à Serra dos Mascates. Victor S. Gomez

O poder de fazer nos é dado por Deus, mas nós é que escolhemos como exercer de melhor forma esse poder. Victor S. Gomez

Portal Cidadania

www.victorsgomez.com





18 abril 2021

Arte em Vídeo de Animação

Achei no Youtube, um vídeo interessante, Essa Moça


A arte de animação feita de forma perfeita, se encaixou demais com a trilha sonora.


Animação feita com a música Nosso Xote da banda Bicho de Pé por Adriana Mota. Ganhou o troféu de Melhor Animação segundo o Juri Popular no Festival Cinema com Farinha, na Paraíba. Embaixo o Grupo Bicho de Pé toca a música Nosso Xote.

17 abril 2021

A Criatividade não se Esgota

A criatividade não se esgota, pode estancar por um tempo, mas sempre volta. Busco inspiração lendo muito. Leio tudo que acho pelo caminho, desde garoto faço isso, sempre procurando tirar o melhor de tudo que encontro. Posso me inspirar com uma notícia de jornal, já me aconteceu isso, tem um conto do meu livro "A Semente", que surgiu de uma notícia que li. Posso me inspirar ao ver um filme, posso me inspirar ao olhar pela janela de casa e ver um cão brincando na rua. São tantas as formas, infinitas. A inspiração está por toda parte, é só saber procurá-la, e pode estar até escondida entre as notas de uma música. Adoro escrever ouvindo música. 

Me assusto quando vejo pessoas, apenas sentadas em um boteco, simplesmente bebendo, sem fazer nada, elas podem ser fontes de inspiração também, mas gostaria mesmo que elas estivessem produzindo algo de bom, ao invés de estarem apenas se destruindo. Nada contra quem bebe, também adoro uma cerveja, mas com moderação."
Victor S. Gomez

Foto: Victor S. Gomez - Escritor
https://www.facebook.com/victorsgomezescritor/

16 abril 2021

A Arte e o Artesanato de Vania Menezes


Transformar natureza em arte, uma opção de vida para a artesã Vania Menezes. Buscando inspiração no verde e nas paisagens bucólicas do interior do estado do Rio de Janeiro, Vania transpira arte e nos transporta para lugares nunca imaginados.




Expressão de sentimentos e criatividade, fazem dessas peças verdadeiras obras de arte. Trabalhos únicos que a artista expõe em seu ateliê e na Feira Hippie de Ipanema todos os domingos. Lá todos poderão adquirir e admirar o trabalho da artesã Vania Menezes, além de poder conversar agradavelmente com a simpática artista.




A tranquilidade e o verde, proporcionam um clima perfeito, para que a artista nos ofereça obras que exalam extrema beleza. A inspiração, fornecida pelo ar puro, vem como mágica. O trabalho artesanal, delicado e preciso, nos mostra toda sensibilidade e simplicidade da artesã.


Onde me encontrar:
Praça General Osório
(Rua Teixeira de Melo)
Todos os Domingos.

15 abril 2021

Artesanato: Estatuto do Artesão

Você conhece o Estatuto do Artesão

O Projeto de Lei Nº 3.926 / 2004, mais conhecido como Estatuto do Artesão, de autoria do Deputado Federal Eduardo Valverde (PT/RO), foi aprovado em decisão terminativa pela Presidência da Comissão de Assuntos Sociais (CAS) na data de 07/07/2010 e encaminhado para publicação no Diário do Senado Federal.

O Projeto de Lei do Senado (PLS) nº 136, de 2009, tem por objetivo regular o exercício da profissão de artesão, recomenda, ainda, a oferta de linha de crédito para financiar a compra de matérias-primas e equipamentos, a comercialização da produção, a criação de certificado de qualidade dos produtos artesanais, a organização de cursos de capacitação e a criação da Escola Técnica Federal do Artesanato, só para citar alguns benefícios.

Para saber mais acesse:  http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb

http://www.ivbam.gov-madeira.pt/Estatuto-do-Artes%C3%A3o-1548.aspx
Artesão em sua oficina

O projeto do Sr. Eduardo Valverde trás segurança  ao artesão. Ele recebeu parecer favorável na câmara e certamente será aprovado. PROJETO DE LEI do Sr. Eduardo Valverde Institui o Estatuto do Artesão, define a profissão de artesão, a unidade produtiva artesanal, autoriza o poder executivo a criar o Conselho Nacional do Artesanato e o Serviço Brasileiro de Apoio ao Artesanato e dá outras providências.

Itibere Andrade: Artesão - foto: Victor S. Gomez

E S T A T U T O do A R T E S Ã O

O Congresso Nacional Decreta: :: CAPITULO I - Disposições gerais

Art.1º - Fica o Poder Executivo autorizado a instituir e a desenvolver Programa Nacional de Fomento às Atividades Artesanais, a criar o Conselho Nacional do Artesanato e o Serviço Brasileiro de Apoio ao Artesanato.

Art.2º - A presente lei tem por objetivos: a) Identificar os artesãos e as atividades artesanais, conferindo-lhes maior visibilidade e valorização social e contribuindo, também, para a dignificação das profissões ligadas ao artesanato; b) Contribuir para uma adequada definição e ajustamento das políticas públicas afirmativas objetivando a proteção da atividade, a organização e a qualificação profissional dos artesãos; c) Reforçar a consciência social da importância das artes e ofícios artesanais como meio privilegiado de preservação dos valores da identidade cultural do País e como instrumento de dinamização da economia solidária, da renda e da ocupação a nível local; d) Assegurar a produção de dados estatísticos que permitam obter informação rigorosa e atualizada sobre o setor, através do registro dos artesãos e das unidades produtivas artesanais. e) Criar linhas de créditos especiais para o fomento das atividades artesanais. f) Criar a certificação dos produtos artesanais, consoante com as peculiaridades regionais e culturais do povo brasileiro, com fito de valorizar os produtos típicos e diferenciados das diversas etnias e manifestações folclóricas do País.

Art. 3º - As disposições contidas neste diploma são aplicáveis em todo o território nacional, a todos os artesãos e a todas as unidades produtivas artesanais que pretendam ser reconhecidos como tal, sem prejuízo das eventuais adaptações às especificidades regionais. :: CAPÍTULO II SEÇÃO I Da atividade artesanal

Art. 4º - Designa-se por atividade artesanal a atividade econômica, de reconhecido valor cultural e social, que assenta na produção, restauro ou reparação de bens de valor artístico ou utilitário, de raiz tradicional ou étnico ou contemporânea, e na prestação de serviços de igual natureza, bem como na produção e confecção tradicionais de bens alimentares. Parágrafo 1º- A atividade artesanal deve caracterizar-se pela fidelidade aos processos tradicionais, em que a intervenção pessoal constitui um fator predominante e o produto final é de fabrico individualizado e genuíno, sem prejuízo da abertura à inovação consagrada no parágrafo seguinte. Parágrafo 2º- A predominância da intervenção pessoal é avaliada em relação às fases do processo produtivo em que se influencie ou determine a qualidade e natureza do produto ou serviço final, em obediência aos requisitos referidos no parágrafo anterior.

Art. 5º - A fidelidade aos processos tradicionais, referida no parágrafo primeiro do artigo anterior, deve ser compatibilizada com a inovação, nos seguintes domínios e nas seguintes condições: a) Adequação do produto final às tendências do mercado e a novas funcionalidades desde que conserve um caráter diferenciado em relação à produção industrial padronizada; b) Adaptação dos processos produtivos, equipamentos e tecnologias de produção, por imperativos de ordem ambiental e de higiene e segurança no local de trabalho e por forma a diminuir a penosidade do processo produtivo ou a rentabilizar a produção desde que, em qualquer caso, seja salvaguardada a natureza e qualidade do produto ou serviço final. c) Uso sustentável e racional dos produtos da flora, da fauna e do solo, visando adequar-se às exigências ambientais e de saúde pública e aos direitos dos consumidores.

Art. 6º - À luz do disposto nos artigos anteriores, estabelece-se a seguinte tipologia para as atividades artesanais: a) Artes; b) Ofícios; c) Produção e confecção tradicional de bens alimentares. Da lista de atividades artesanais

Art. 7º - O anexo I ,à presente lei, contém a lista de atividades artesanais a serem desenvolvidas de acordo com as condições previstas nos artigos anteriores. Parágrafo Único- A lista de atividades artesanais referida no caput deverá ser atualizada anualmente, de acordo com a evolução e transformações das aptidões e artes humanas. SEÇÃO II Do artesão

Art. 8º - Para efeitos do presente lei, entende-se por artesão o trabalhador que exerce uma atividade artesanal, em caráter habitual e profissional, dominando o conjunto de saberes e técnicas a ela inerentes, ao qual se exige um apurado sentido estético e perícia manual. Do Registro e dos requisitos da Profissão

Art. 9º - Para o exercício da atividade, o artesão deverá requerer registro nas Delegacias Regionais do Trabalho, que emitirá o “Registro Profissional do Artesão”, desde que cumpram os requisitos estabelecidos no artigo seguinte.

Art. 10º - Para a concessão do registro profissional, a Delegacia Regional do Trabalho deverá observar: a) Que a atividade desenvolvida pelo interessado deve constar do rol de atividades artesanais a que se refere o artigo 7.º, devendo o seu exercício observar o preceituado nos artigos 5.º e 6.º; b) Que o artesão demonstre que exerce a sua atividade a título profissional, com habitualidade, mesmo que secundária. Parágrafo Único – Excepcionalmente, e mediante fundamentação adequada, poderá ser concedido o registro profissional a quem, embora não cumprindo o requisito previsto na alínea “b”, seja detentor de saberes que, do ponto de vista das artes e ofícios, se considerem de grande relevância.

Art. 11º - O registro profissional de artesão deverá ser validado a cada 3 anos nos termos do regulamento.

Art. 12º - Em cada municipalidade, deverá ser garantida aos artesãos, espaço público adequado com o objetivo de permitir a exposição, com exclusividade, dos produtos artesanais SEÇÃO III Da unidade produtiva artesanal

Art. 13º - Para efeitos da presente lei, considera-se unidade produtiva artesanal toda e qualquer unidade econômica, legalmente constituída e devidamente registrada, organizada sob as formas de empresa em nome individual, estabelecimento individual de responsabilidade limitada, cooperativa, sociedade unipessoal ou sociedade comercial que desenvolva uma atividade artesanal, nos termos previstos na seção I do presente diploma. Do registro das unidades produtivas artesanais

Art. 14º - As unidades produtivas artesanais serão registradas com esta denominação jurídica, de forma simplificada e gratuitamente, nas Juntas Comerciais, desde que cumpram os requisitos estabelecidos no artigo seguinte. Parágrafo Único - A validade do registro de unidade produtiva artesanal será por períodos que variam entre dois e cinco anos, nos termos do regulamento. Dos requisitos para o registro

Art. 15º - As unidades produtivas artesanais deverão cumprir as seguintes condições, cumulativamente: a) Ter como responsável pela produção um artesão registrado na DRT, que a dirija e dela participe; b) Ter, no máximo nove artesãos, excetuando os aprendizes, que, em cooperação e em solidariedade, desenvolvam atividades artesanais. Parágrafo Único- Excepcionalmente, tendo em conta a natureza da atividade desenvolvida, e mediante uma análise casuística fundamentada, poderão ser consideradas unidades produtivas artesanais as empresas que, embora excedendo o número de trabalhadores fixado na alínea b) , salvaguardem os princípios que caracterizam os processos produtivos artesanais e que não haja subordinação jurídica. Dos efeitos 

Art. 16º - O registro de unidade produtiva artesanal e do artesão, nos termos dos artigos 9º e 15.º, é condição necessária para o acesso a quaisquer apoios e benefícios que o Estado atribua ao artesanato. :: CAPÍTULO III Do Registo nacional do artesanato

Art. 17º - Será criado o Registro Nacional do Artesanato, à cargo do Ministério da Cultura, em conformidade com o regulamento, visando cadastrar as atividades artesanais e seus produtos, consoantes peculiaridades, procedência, valor estético, étnico e cultural.

Art. 18º - A inscrição das atividades artesanais no Registro é gratuita, tem caráter público e será atualizada regularmente. Do Conselho Nacional do Artesanato

Art. 19º - Fica criado o Conselho Nacional do Artesanato, vinculada ao Ministério da Cultura, que dentre outras funções, terá competência para: a) Atualizar as lista de atividades artesanais. b) Manter e controlar o registro do artesanato. c) Estabelecer políticas de fomento para as atividades artesanais. d) Emitir normas para certificação de produtos artesanais. e) Conhecer, desenvolver estudos, classificar discriminar os produtos artesanais típicos de regiões ou de culturas tradicionais populares. f) Certificar os produtos artesanais, que expressem conteúdo cultural e características peculiares de uma região ou de uma determinada etnia, com o fito de diferencia-los e realçá-los em relação aos demais. Da certificação

Art. 20º - Os produtos artesanais típicos que caracterizam determinada cultura popular brasileira, ou especificidades de determinadas regiões do país, ou que reúnam diferenciado e significativo conteúdo estético ou de arte, poderão ser certificados, com o fito de discriminação positiva e valoração econômica. Do Serviço Brasileiro de Apoio ao Artesanato

Art. 21º - Fica o Poder Executivo autorizado a criar o Serviço Brasileiro de Apoio ao Artesanato Brasileiro, vinculado ao Ministério da Cultura, com o propósito de incentivar o artesanato brasileiro. Parágrafo Único- O Serviço Brasileiro, dentre outras competência, terá como missão: a) Divulgar em nível nacional e internacional o artesanato brasileiro. b) Realizar programas de capacitação e qualificação do artesão brasileiro. c) Desenvolver programas de gerenciamento e organização empresarial para as unidades produtivas artesanais. d) Desenvolver intercâmbios técnicos e de arte, com os países latino americanos, visando o desenvolvimento e o aperfeiçoamento do artesanato brasileiro. e) Organizar feiras e mostruários, editar livros e informativos do artesanato brasileiro. f) Organizar e realizar Bienais do Artesanato Brasileiro. :: CAPITULO IV Disposições finais

Art. 22º - No prazo de 180 dias, a contar da publicação do presente diploma, serão aprovadas as normas regulamentares necessárias à execução das disposições contidas no mesmo no que diz respeito à definição da lista das atividades artesanais, ao processo de registro dos artesãos e das unidades produtivas artesanais e à organização e funcionamento do Registo Nacional do Artesanato.

Art. 23º - No prazo de 180 dias, o Poder Executivo instituirá o Programa para o Fomento às Atividades Produtivas Artesanais e regulamentará as atribuições e organização do Conselho Nacional do Artesanato e do Serviço Brasileiro de Apoio ao Artesanato Brasileiro.

Art. 24º -O presente diploma entra em vigor trinta dias após a sua publicação. JUSTIFICATIVA Objetiva o presente projeto estabelecer um conjunto de ações cujo objetivo central é a valorização, a expansão e a renovação das artes, dos ofícios e das microempresas artesanais. Neste contexto, torna-se particularmente importante definir com clareza os conceitos de artesão e de unidade produtiva artesanal, bem como os requisitos a que devem obedecer as atividades artesanais para que possam beneficiar de apoios públicos e de medidas de discriminação positiva. Com a definição do estatuto do artesão e da unidade produtiva artesanal, oferece-se ao Governo condições de dar corpo a uma estratégia de valorização e credibilização das artes e ofícios enquanto plataforma de afirmação da identidade e cultura nacionais, que assenta, nomeadamente, no reconhecimento do papel fundamental que podem assumir na dinamização da economia e do emprego em nível local e o fomento dos valores culturais e estéticos das diversas etnias e manifestações populares do povo brasileiro. As atividades artesanais respondem pela geração de inúmeras ocupações e renda para milhares de brasileiros, sem que haja sistemático incentivo estatal, no tocante à qualificação profissional, certificação de origem e qualidade e a destinação de espaço público para exposição permanente. Os conhecimentos das artes são transmitidos, em regra, por via oral e por relações familiares ou grupais, necessitando ocorrer a sistematização e classificação das artes artesanais e de sua propagação para o conjunto da sociedade, considerando o aspecto cultural e artístico que o artesanato representa para conservar a identidade nacional. Anexo I - Lista de Atividades Artesanais

:: Grupo 01 – Artes e ofícios têxteis - Preparação e fiação de fibras têxteis - Tecelagem - Arte de estampar - Fabrico de tapetes - Tapeçarias - Confecção de vestuários por medida - Fabrico de acessórios de vestuário - Confecção de calçados de pano - Confecção de artigos têxteis para o lar - Confecção de trajos de espetáculo, tradicionais e outros - Confecção de bonecos de pano - Confecção de artigos de malha - Confecção de artigos de renda - Confecção de bordados - Passamanaria - Colchoaria

:: Grupo 02 – Artes e ofícios de cerâmica - Cerâmica - Olaria - Cerâmica figurativa - Modelação cerâmica - Azulejaria - Pintura cerâmica

:: Grupo 03 – Artes e ofícios de trabalhar elementos vegetais - Cestaria - Esteiraria - Capacharia - Chapelaria - Empalhamento - Arte de croceiro - Cordoaria - Arte de marinharia e outros objetos de corda - Arte de trabalhar flores secas - Fabrico de Vassouras, escovas e pincéis - Arte de trabalhar miolo de figueira e similares - Confecção de bonecos em folha de milho - Fabrico de mobiliário de vime ou similar

:: Grupo 04 – Arte e ofícios de trabalhar peles e couro - Curtimenta e acabamentos de peles - Arte de trabalhar couro - Confecção de vestuário em pele - Fabrico e reparação de calçado - Arte de correeiro e albardeiro - Fabrico de foles - Gravura em pele - Douradura em pele

:: Grupo 05 – Artes e ofício de trabalhar a madeira e a cortiça - Carpintaria agrícola - Construção de embarcações - Carpintaria de equipamentos de transporte e artigos de recreio - Carpintaria de cena - Marcenaria - Escultura em madeira - Arte de entalhador - Arte de embutidor - Arte de dourador - Arte de polidor - Gravura em madeira - Pintura de mobiliário - Tonoaria - Arte de cadeireiro - Arte de soqueiro e tamanqueiro - Fabrico e utensílios e outros objetos em madeira - Arte de trabalhar cortiça

:: Grupo 06 – Artes e ofícios de trabalhar o metal - Ourivesaria – Filigrana - Ourivesaria – Prata de cinzelaria - Gravura em metal - Arte de trabalhar ferro - Arte de trabalhar cobre e latão - Arte de trabalhar estanho - Arte de trabalhar bronze - Arte de trabalhar arame - Latoaria - Cutelaria - Armaria - Esmaltagem

:: Grupo 07 – Artes e ofícios de trabalhar a pedra - Escultura em pedra - Cantaria - Calcetaria - Arte de trabalhar ardósia

:: Grupo 08 – Artes e ofício ligados ao papel e arte gráfica - Fabrico de papeis - Arte de trabalhar papel - Cartonagem - Encadernação - Gravura em papel

:: Grupo 09 – Artes e ofícios ligados à construção tradicional - Cerâmica de construção - Fabrico de mosaico hidráulico - Arte de pedreiro - Arte de cabouqueiro - Arte de estucador - Carpintaria - Construção em madeira - Construção em taipa - Construção em terra - Arte de colmar e similares - Pintura de construção - Pintura decorativa de construção

:: Grupo 10 – Restauro de patrimônio, móvel e integrado - Restauro de têxteis - Restauro de cerâmica - Restauro de peles em couro - Restauro de madeira - Restauro de metais - Restauro de pedra - Restauro de papel - Restauro de instrumentos musicais

:: Grupo 11 – Produção e confecção artesanal de bens alimentares - Produção de mel e outro produtos de colmeia - Fabrico de bolos, doçaria e confeitos - Fabrico de gelados e sorvetes - Fabrico de pão e de produtos afins do pão - Produção de queijo e de outros produtos lácteos - Produção de manteiga - Produção de banha - Produção de azeite - Fabrico de vinagres - Produção de aguardentes - Produção de licores xaropes e aguardentes - Preparação de ervas aromáticas e medicinais - Preparação de frutos secos e secados , incluindo os silvestres - Fabrico de doces, compostas, geleias, e similares - Preparação e conservação de frutos e de produtos hortícolas - Preparação e conservação de carne e preparação de enchidos, ensacados e similares - Preparação e conservação de peixe e outros produtos do mar

:: Grupo 12 – Outras artes e ofícios - Salicultura - Moagem de cereais - Fabrico de redes - Fabrico de carvão - Fabrico de sabões e outros produtos de higiene e cosmética - Pirotecnia - Arte do vitral - Arte de produzir e trabalhar cristal - Arte de trabalhar o vidro - Arte de trabalhar o gesso - Arte de estofador - Joalharia - Organaria - Fabrico de instrumentos musicais de cordas - Fabrico de instrumentos musicais de sopro - Fabrico de instrumentos musicais de percussão - Fabrico de brinquedos - Fabrico de miniaturas - Construção de maquetas - Fabrico de aba-jours - Fabrico de perucas - Fabrico de aparelhos de pesca - Taxidermia (arte de embalsamar) - Fabrico de flores artificiais - Fabrico de registos e similares - Fabrico de adereços e enfeites de festa - Arte de trabalhar cera - Arte de trabalhar osso, chifre e similares - Arte de trabalhar conchas - Arte de trabalhar penas - Arte de trabalhar escamas de peixe - Arte de trabalhar materiais sintéticos - Gnomonica (arte de construir relógios de sol) - Relojoaria - Fotografia

14 abril 2021

O Poço e o Pêndulo - Edgar Alan Poe

Edgar Alan Poe, foi  um dos grandes mestres do realismo fantástico.

O Poço e o Pêndulo (The Pit and the Pendulum), é um conto de Edgar Alan Poe (1809-1849), publicado pela primeira vez em 1842. O conto foi incluído no livro Histórias Extraordinárias, com contos selecionados e traduzidos por José Paulo Paes, publicado em 2008 pela Editora Companhia das Letras.


O Poço e o Pêndulo tem como pano de fundo a Espanha medieval, e conta a história de um homem julgado pela inquisição e atirado para uma cela com características especiais.

Adaptado para cinema em 1961 por Roger Corman, o livro de Edgar Alan Poe, O Poço e o Pêndulo foi protagonizado por Vincent Price e Barbara Steele.


13 abril 2021

Panis et Circenses um Marco Cultural

O ano, 1968, lá fora o chicote da ditadura castigava o povo brasileiro, mas dentro dos estúdios gritos de liberdade se ouviam ao longe. O pão e circo imposto pelos generais, lhes era dado de volta por nossos artistas na forma de um novo movimento cultural, o tropicalismo, que tentava trazer de volta a liberdade e a esperança, há algum tempo afastadas do nosso povo.


A canção "Panis et Circenses", composta por Caetano Veloso (1942) e Gilberto Gil (1942), é lançada em 1968 nos discos Tropicália ou Panis et Circenses (Polygram/Phillips) e Os Mutantes (Polydor), neste com uma introdução de metais diferente da anterior. A interpretação da música é do grupo Os Mutantes, formado pela cantora e compositora Rita Lee (1947) e pelos irmãos compositores e instrumentistas Arnaldo Dias Baptista (1948) e Sérgio Dias Baptista (1951).


http://enciclopedia.itaucultural.org.br/…/panis-et-circenses

12 abril 2021

Projeto social Cidadania na Escola

O dia a dia na escola é mais saudável quando o professor tem plena liberdade de comandar seus meninos e meninas, é dessa forma que as coisas fluem como devem ser. Liberdade para criação, liberdade para aprender, liberdade para ensinar. A sala de aula é quase um lugar sagrado, não como uma igreja, mas como um templo de criação, sendo seu sacerdote máximo, o Professor. Quando se vigia um professor você tolhe sua alma, seu amor pelo que faz.

Os rostos se escondem por detrás de traços quase infantis, suas lutas do dia a dia são iguais a de tantos outros, mas como se esforçam para mostrar sua vontade de fazer o melhor. Parabéns, mestres e alunos. Victor S. Gomez - Escritor

E. M. Professora Regina Coeli Amorim - Cambota, Valença, RJ.








Arte Urbna Poética
https://www.facebook.com/ArteUrbanaPoetica/

Blog Cidadania 

11 abril 2021

Museu Vicente Celestino e Gilda Abreu - Por Victor S. Gomez

Em Valença, sul do Estado do Rio de Janeiro, mais precisamente em um pequeno distrito desse município o tempo parece ter parado. Formado por mais ou menos umas seis ruas, o distrito de Conservatória, conhecido também como Cidade da Seresta, nos trás lembranças que fazem com que muitas vezes pensemos tê-las vivido. A velha Maria Fumaça, a 206, há algum tempo parada na pequena estação, afeta nossa imaginação, tanto que, quando fechamos os olhos podemos dar assas a nossa imaginação e nos transportarmos para um tempo onde tudo era mais tranquilo e feliz. 


O trem chegou na estação,
Demorou mas chegou.
Agora não tem mais ninguém aguardando sua chegada,
mas quem nos garante que isso é verdade.
As imagens de quem passou por ele,
continuam aqui,
presas na luz,
guardadas no tempo das boas lembranças.


Conservatória, o som ecoa entre seus casarios. O vento leva a música que rodopia entre telhados, nas frestas das janelas, pelos ouvidos alheios, eternizando o amor nos corações de quem ouve. Então, passando por Conservatória, não deixe de visitar o Museu Vicente Celestino, obra mantida pelo abnegado voluntário, Wolney Porto.


O Museu Vicente Celestino fica situado no centro da cidade de Conservatória, distrito de Valença, RJ, na rua Pedro Gomes, nº 50. Inaugurado no dia 13 de março de 1999, em parceria com a Prefeitura de Valença e a Secretaria de Turismo e Cultura, o museu Vicente Celestino conta com um vasto material pessoal de Vicente Celestino e sua esposa Gilda de Abreu. Conta também com a discografia do artista, figurino de filmes e roupas de casamento. Há também uma Galeria dos Imortais, com acervo de outros artistas, e uma sala de pesquisa da MPB, com mais de 2000 fotos, títulos, recortes de jornais e revistas.

O amor perdido cantado com dor, sentimento que brota em todos que amam cegamente, inspira e transforma essa imensa dor em belas canções. Com certeza o tempo passou por aqui, mas de certo nunca conseguirá tirar de nós o melhor do nosso passado.


A Diva, Gilda Abreu, cantou e nos deixou mais que uma canção, deixou um passado de beleza, luz e muita musica, para que possamos sempre nos lembrar dos melhores momentos de nossas vidas.


Religiosidade, crença, arte, lembranças, juntas, fazendo nos acreditar em uma força superior, que nos faz amar cada vez mais nossos semelhantes e tudo o que é belo.

As luzes do palco se apagaram, mas a memória continua acessa. É tudo lembrança, guardada com todo cuidado, para que jamais seja esquecida.

Passo a passo de como criar uma ONG