Pesquise Modelo de Projeto Social

26 setembro 2019

Ciclo de debates: "DIÁLOGOS PELO FUTURO DO RIO DE JANEIRO"

O Movimento Baía Viva lhe convida para participar da 5a. sessão do Ciclo de debates: “Diálogos pelo Futuro do Rio de Janeiro”, no dia 26 de Setembro (quinta feira) de 18 às 21 horas, no auditório da sede do SINPRO (R. Pedro Lessa, 35 – Centro).
Compareça e divulgue!


Ciclo de debates: "DIÁLOGOS PELO FUTURO DO RIO DE JANEIRO" (5a. sessão)

Após as mesas que abordarão os sub-temas: "Águas e Florestas", haverá debate com o público.

Roda de conversa:
"Agenda de políticas ambiental, saneamento e gestão das águas e de clima para o Rio de Janeiro: os desafios, contradições e potencialidades das atuais políticas públicas num cenário de Emergência Climática global."

A roda de conversa abordará a "crise" das águas no Rio de Janeiro e as lutas pela preservação das florestas urbanas remanescentes, como a de Camboatá (em Deodoro), que está ameaçada pelo desmatamento de 200 mil árvores pela construção do Autódromo pela Prefeitura do Rio, e o Parque de Realengo Verde, que são essenciais para garantir as condições climáticas da cidade e o direito ao lazer da população. E da floresta do Tinguá para o abastecimento e proteção da biodiversidade.

Os impactos da falsa solução da Barragem do Rio Guapiaçu, como alternativa ao abastecimento do Leste Metropolitano, também serão discutidos sob seus aspectos socioambientais e econômicos.

O processo de reflexão-ação com dialogicidade proposto pelos "Diálogos" objetiva contribuir com Alternativas (saídas) para a crise de austeridade seletiva que se abateu sobre o ERJ a partir de 2016, fruto da crise de 2014/15 no país, com a decretação do "estado de calamidade pública financeira" nas finanças estaduais, através da proposição de políticas públicas setoriais oriundas dos movimentos sociais e da academia crítica que possam enfrentar o desemprego estrutural, o aumento da pobreza e da extrema pobreza no território fluminense e a crise hídrica/sanitária.

Contamos com sua presença.

Realização: #BAIA VIVA

Apoio: #SINPRO-RIO

Sérgio Ricardo
Tel. (21) 99734-8088

20 setembro 2019

Projeto Valença Troca Livros

Se você tem algum livro guardado que não queira mais, acumulando poeira, traças, mas em bom estado de conservação. Quer colocá-lo para circular? Então venha trocá-lo por livros novos e em bom estado de conservação no projeto Valença Troca Livros.
Ajuda de custos para manter o projeto e para confeccionar o boletim informativo mensal.

Apoie o Projeto Valença Troca Livros

18 setembro 2019

Olhos de Dragão - Um texto de Victor S. Gomez

Autor do livro Universo Interior, Victor S. Gomez - Responsabilidade Social é Escritor, Ator e Educador Social
Primeiro lugar no Prêmio Olho Vivo 2014 - Volta Redonda - RJ
Veja a página do escritor no site da Editora Patuá.

O Projeto Valença Troca Livros está todo sábado, na Rua dos Mineiros, de 9:00 às 12:00hs, em Valença RJ. 
Ajude a divulgar o projeto Valença Troca Livros.

Escritor Victor S. Gomez, Escritora Déia Sineiro, e Escritor Mário Sérgio Sigall Estamparia.

Apoio 
Rotary Clube de Valença (Rotary International), Casa da Amizade, Bar do Fred e @Jornal Jornal da Cidade Regional.

#Cultura, #dicadelivros, #escritores, #incentivoàleitura, #literatura, #livro — em Valença (Rio de Janeiro).

Noites Silenciosas - Victor S. Gomez

Me encontro em noites silenciosas,
vagueio solitário pelo meu quarto tentando encontrar o que perdi,
tropeço em pequenos fragmentos deixados para trás,
que nem sei mais como são.
Pedaços de uma vida sem sons,
sem forma,
sem nada.
Somente sinto o cheiro da borra na xícara de café.
Mais adiante apenas encontro algumas palavras que chegam devagar e crescem em meio a escuridão.
Palavras que ouvi e não ouço mais.
Palavras de conforto,
e logo depois palavras agressivas.
Então escrevo tudo o que posso,
e levo minha vida adiante,
amando e me amando cada vez mais.
Quisera saber clamar,
ter a fluidez
e a calma dos poetas de minha terra.
Só assim teria sabedoria para organizar todas essas palavras em versos.

11 setembro 2019

Inscrições Abertas para Projetos - Premio FUNARTE Descentrarte

O projeto alcança cidades de médio porte, com incentivo financeiro a ações ligadas a artes visuais, dança, teatro, literatura e artes integradas

SELEÇÃO DE PROJETOS COMEÇOU EM 4 DE SETEMBRO E VAI ATÉ 21 DE OUTUBRO DE 2019

Edital público da Fundação Nacional de Artes – Funarte lançou o Prêmio Funarte Descentrarte. O programa alcança 120 projetos artísticos de qualquer município do Brasil que tenha população entre 50 mil e 100 mil habitantes – ou seja, de cidades consideradas de médio porte. As inscrições são gratuitas e estão abertas a partir do dia 4 de setembro.

Leia mais sobre esse edital aqui.

08 setembro 2019

07 de Setembro em Valença - RJ

Texto e fotos: Victor S. Gomez

Muita alegria, descontração, emoção, amor à pátria e patriotismo, ontem, no desfile de 07 de setembro, em Valença - RJ.

Dia da Independência do Brasil - Feriado 7 de Setembro

Parabéns aos alunos e aos nossos valorosos soldados.
Que esse dia seja de paz e tranquilidade, prenuncio de tempos melhores para todos os nossos irmãos brasileiros.

Brasil - Um só povo, uma só nação, que o amor e a paz sejam sempre vitoriosos!














Apoio: ACIVA - Associação Comercial e Industrial de Valença RJ.
Informações na ACIVA:
Av Nilo Peçanha, 319 2° andar
Valença, RJ
(24) 2453-4727
email: contato@acivarj.com.br

Acesse o nosso site:
www.acivarj.com.br

Acompanhe nossa fanpage no Facebook:
https://www.facebook.com/acivarj

ACIVA, trabalhando por uma Valença melhor.

07 setembro 2019

Entrevista com Dilma Dantas Moreira Mazzeo, Diretora de Eventos da Fundação Lea Pentagna - Por Victor S. Gomez

Novos e Grandes Talentos de Valença: 

É no passado que se alicerçam as bases para o futuro. O que de ruim e de bom for feito se refletirá para sempre pela eternidade.

Quando a Srª Lea Pentagna criou a Fundação Lea Pentagna, ela depositou ali todo seu amor por sua cidade, pelas pessoas e por tudo que ela deixou para que a cultura e a arte fossem propagadas para sempre em Valença. Mas ela não tinha certeza que isso aconteceria da forma como ela imaginava, ela não tinha ideia de quem assumisse essa instituição seguiria em frente, que pessoas de bem e altruístas levariam a diante o seu desejo. Hoje os que comandam essa instituição, Seu Presidente, Gilberto Monteiro e a Diretora de Eventos, Dilma Dantas Moreira Mazzeo, se esforçam no dia a dia da instituição, para que a proposta da Srª Lea Pentagna não desapareça, que a arte e a cultura não deixem de ter o poder transformador, e que esse trabalho não perca seu objetivo maior: Levar conhecimento para cada vez mais pessoas. Se depender do esforço desses abnegados Diretores e voluntários que tanto trabalham, esse projeto seguirá adiante para sempre.
Nosso desejo em fazer o melhor, nosso esforço em transformar situações que muitos acreditam como impossível, é o que faz com que sigamos adiante, com que tenhamos força para realizar o mais difícil dos projetos. Você não precisa que ninguém acredite, basta que você acredite e não pare nunca.


1- Qual a avaliação que a senhora faz do tradicional evento Feira Cultural?
A Feira de Cultura realizada pela Fundação Lea Pentagna vem sendo realizada há 18 anos e já se tornou uma tradição em nossa cidade e a cada ano ela vem melhorando, tentando ampliar seu público e buscando novos assuntos para serem abordados, mas nós achamos que é muito pouco em relação ao que as pessoas poderiam aproveitar. A Feira de Cultura é um evento gratuito, que contém uma gama enorme de assuntos, e que atende a gostos diferentes, mas achamos que o interesse pela feira ainda é muito pequeno.



2- A senhora tem sentido algum crescimento na frequência de pessoas no evento?
Nós sentimos que ainda não existe uma paixão grande pela Feira, apesar de estarmos sempre tentando inovar, trazer novos assuntos, sentimos que apesar de termos um grupo de frequentadores assíduos e de conquistarmos novas pessoas, ainda falta algo que atraia mais pessoas para o evento.
Todos os anos após a Feira, fazemos uma avaliação, esse ano ainda não fizemos, mas tenho notado um crescimento de jovens que vem assistir as palestras, e falando nisso, esse ano conseguimos um grupo de jovens estudantes de medicina que se interessaram em falar sobre as matérias que agora o SUS incluiu como tratamento para a população, a medicina integrativa.
“Medicina Integrativa é a prática da medicina que reafirma a importância da relação entre o paciente e o profissional de saúde. Ela é focada na pessoa em seu todo, informada por evidências e faz uso de todas as abordagens terapêuticas adequadas, com profissionais de saúde e disciplinas para obter o melhor da saúde e cura (health and healing).”
Todos os anos, pensando nos jovens, nós procuramos trazer grupos musicais que atraiam essa parcela da população que gosta desse tipo de segmento musical.



3-Muitos voluntários ajudam na organização do evento. Qual a importância desses voluntários na organização desse evento e no dia a dia da instituição?
A Fundação Lea Pentagna não possui uma equipe de voluntários fixa, apenas algumas pessoas abnegadas que quando podem nos auxiliam nas tarefas de organização de eventos. Aqui os contamos com o trabalho da conselheira Leila Silva, que me ajuda em um trabalho importantíssimo na Feira de Cultura, que começa alguns meses antes da Feira e que se estende até um pouco depois do término do evento, com os agradecimentos que fazemos a todos os palestrantes, patrocinadores e apoiadores da Feira e também contamos com o trabalho voluntário da amiga Ena Jannuzzi.



4- A Fundação Lea Pentgna é bem conhecida pela população de Valença. Esse conhecimento se traduz em números? É grande ou pequeno o comparecimento da população de Valença aos eventos?
A fundação Le Pentagna é aberta a população de Valença e a turistas, que querem visitar o Museu Casa, durante a semana, aos domingos e feriados, e percebemos que o movimento vem crescendo há algum tempo. Recebemos visitas de São Paulo, Rio de Janeiro, grupos da região de Valença e municípios vizinhos, Miguel Pereira, Vassouras, Rio das Flores e outros. A Casa é razoavelmente visitada, mas sentimos um pequeno crescimento do público. Um público interessante são as escolas que nos visitam durante a semana, são escolas de Barra do Piraí, Volta Redonda, algo que não acontecia muito, que agora vem melhorando. As escolas de Valença costumam vir visitar à Casa, mas ainda é um número bem reduzido. Seria interessante que as escolas se interessassem mais pelo evento, que funciona também durante dois dias da semana, até mesmo a faculdade poderia trazer alunos durante a semana, pois temos palestras à noite. 



5- A Fundação Lea Pentagna tem o reconhecimento merecido pela população de Valença, pelas empresas e pelo governo municipal?
A Fundação Lea Pentagna tem um reconhecimento geral por parte do município, somos reconhecidos pelos distritos, mas seria muito bom um aprofundamento entre as Secretarias e a instituição, para uma melhor divulgação desse trabalho. Com empresas é muito boa nossa parceria, e é por causa dessa parceria que se torna possível a realização da Feira de Cultura e outros eventos que fazemos aqui. Se for possível gostaríamos de agradecer a todos os patrocinadores e apoiadores que sempre estiveram ao nosso lado, e dizer que sem eles dificilmente poderíamos realizar nossos projetos. Agradecemos também ao comercio local pelos brindes que nos enviam e que sorteamos durante as palestras, são pequenas atitudes, singelas, que fazem a diferença, tornando a Feira mais atrativa e acolhedora. Temos também o reconhecimento da FAA, da ACIVA e de outras empresas, mas resta apenas um maior envolvimento da população com a instituição, mas isso é um trabalho longo, e que se tornará possível graças ao esforço e a persistência da Fundação Lea Pentagna na luta pela cultura em nosso município. 
Aqui um agradecimento especial à Câmara de Vereadores de Valença, sempre ao nosso lado, trabalhando junto com Fundação Lea Pentagna.

03 setembro 2019

Entrevista com a Artista Plástica Maria José Marchiori - Por Victor S. Gomez

Novos e Grandes Talentos de Valença: 

"A beleza está onde nosso olhar alcança, principalmente quando olhamos com o coração." 

As pinturas rupestres eram uma arte que estava a serviço da vida. Não se sustenta a tese das pinturas serem apenas decorativa ou expressiva, inclusive por muitas dessas pinturas, encontrarem-se em locais muito escuros e de difícil acesso. Era preciso colocá-las em locais estratégicos, onde eram feitos rituais mágicos. A grande importância dessa arte é que ter a posse das imagens dos animais era como possui-los e assim a caça dos mesmos seria concretizada com sucesso.
A luz é o que nos faz enxergar, tira-se a luz e vem a escuridão, sem ela nada existe. Na antiguidade alguns filósofos gregos diziam que a luz saia dos olhos das pessoas e atingiam os objetos, que assim se tornavam visíveis para nós. Verdades e incertezas afligem a todos, e o que sabemos mesmo é que a luz é quem traz a beleza até nossos olhos, que, como um prisma nos mostra a enorme variedade de cores que nela existem.
Outra coisa que meche com o ser humano é saber, porque algo é agradável para alguns e não para outros. Nesse caso eu acho que é a identificação. Quando gostamos de algo é porque nos identificamos com o que vemos, sentimos, pode ser, uma música, uma escultura, um livro, ou uma pintura. Quando essa identificação não ocorre certamente não sentiremos nada. Isso acontece por causa da nossa formação, do que aprendemos pela vida, dos ensinamentos que recebemos, da formação que nossos pais e a escola nos passam. Bem, mas devemos mesmo é ampliar cada vez mais nosso olhar, observar com carinho o que nos propõem e o que nos oferecem os artistas de forma tão honesta. A arte é uma mistura não só de técnica, mas também de muitos sentimentos como amor, carinho, paz, e vontade de passar o melhor que o artista tem para as outras pessoas.


01- Sua paixão pela pintura vem de muito tempo? Fale aqui um pouco de sua formação e de seu trabalho.
Despertei a vocação artística na infância, sempre estava rabiscando figuras de todas as formas. Natural de Petrópolis, mas valenciana de coração, busquei me aprimorar através de cursos e em   Artes Plásticas na Universidade Geraldo Di Biasi em Barra do Pirai, onde a seis anos sou professora de artes. Quando comecei, escolhi trilhar o caminho da arte acadêmica por me apaixonar pela natureza e as paisagens, transitei por diversas técnicas do clássico ao contemporâneo e posso dizer que me encanta todos os estilos de artes. Permito explorar minha intuição e retratar temáticas variadas nas minhas telas. Atualmente o que me inspira é o cotidiano, as pessoas, as praças a natureza sempre, os casarões centenários que misturam o novo com o antigo em Valença, os vários ângulos que me deparo todos os dias na minha cidade. A luz, o colorido, nem sempre é a realidade, mas sim, formas e cores que eu gostaria que estivessem ali.

02- Você tem feito exposições em Valença. Você sente que seu trabalho tem boa receptividade em nossa cidade? 
Fazemos exposições anuais, e este ano será a 35° mostra que estaremos realizando. A cada ano podemos contar com mais de 100 obras e com a participação dos alunos do nosso curso de Artes. Através destes eventos que   promovemos, com visitação de grande público, podemos confirmar a grande aceitação e o reconhecimento do nosso trabalho. Assim divulgamos novos artistas, adultos e crianças participam com desenhos pinturas pasteis e aquarelas e telas. 



03- Muitos falam que em Valença não acontece nada, e muitas vezes se deslocam daqui para outras cidades em busca de eventos culturais. O que você acha dessa afirmação?
É importante   conhecer e preservar nossa memória, o patrimônio histórico, as raízes culturais e a nossa região também é muito rica em termos de arte. As manifestações artísticas de Valença estão presentes nas artes plásticas, artesanato, nas danças, músicas e na literatura através de nossos escritores, e fomentar a arte da nossa cidade é priorizar espaço e movimentos culturais, essas atitudes seriam primordiais para manter-se conectada ao progresso cultural e valorizar o artista. Nós valencianos não temos esta realidade.

04- Fale um pouco sobre sua escola de pintura. É boa a aceitação por parte dos moradores de Valença? 
O Atelier de Artes Marchiori iniciou suas atividades em 1985 em Valença, e em 2019, comemorou um marco especial, 34 anos de história e sucesso na formação de excelentes   artistas na nossa região.   
Como professoras de artes visuais, eu e a minha irmã Inez Marchiori, somos responsáveis por levar o conhecimento e técnicas artísticas, despertar a criatividade a pessoas de todas as idades através dos cursos de desenho e pintura, entre técnicas clássicas e contemporâneas.                                       
Nosso curso tem como objetivo, além de explorar o potencial artístico dos alunos, despertar seus talentos no desenho, potencializar as propostas inovadoras, buscar sua identidade artística e capacitar com as várias técnicas do acadêmico ao contemporâneo do grafite, aquarela, pastel e pinturas em tela e cerâmica em cursos Iniciantes ou Avançados. 
Nosso compromisso é desenvolver múltiplas competências em linguagens visuais nos diferentes contextos do desenho e da pintura, fomentando o universo criativo dos alunos e suas tendências em valorizar a cultura. Atelier fica na Silva Jardim 141, centro em Valença  



05- Seu curso de pintura é pago. Se você sentir que uma criança ou adolescente tiver uma vocação acima da média, mas não possui condições financeiras para pagar o curso, você daria uma bolsa para esse aluno? Você já pratica essa ação?
Sim, temos aulas toda semana de segunda a sexta feiras, na parte da manhã a tarde e à noite, Nesses 34 anos de existência do Atelier, graças a Deus, temos como proposta levar a arte a todos, pois a arte é toda forma de expressão e manifestação do ser humano. Arte está ligada principalmente a sensibilidade e colocar em prática de alguma forma são muito saldáveis, como terapias, e traz em si uma forma de expressar todos os sentimentos. Desta forma projetos sociais são tão importantes e se confundem com os culturais. 
                               
06- Enumere aqui algumas exposições, indicações, prêmios se os tiver:
Participei mais de 35 exposições de Artes catalogadas além das individuais que  promovi ,  nas quais  obtive 12 premiações em medalhas de ouro prata bronze e menções honrosas , entre outras a  Mostra de Artes Plásticas  do Estado do Rio de Janeiro no Teatro Nacional de Brasília-Sala Vila Lobos; Bienal brasil/Japão no Rio de janeiro;13°Salão de artes Plásticas  28°batalhão militar em Volta Redonda ;Mostra Internacional do século XX ABD MEC Rio de Janeiro; Galeria TV rio Sul Resende ;Associação Brasileira de Artes Visuais  Rio de Janeiro; Salão SPEP-Sociedade Petropolitana de Pintura -Palácio de Cristal  –Petrópolis ;Bienal Nacional de Santos Artes Visuais Santos  São Paulo.



Passo a passo de como criar uma ONG