Pesquise Modelo de Projeto Social

28 maio 2019

Novos e Grandes Talentos de Valença: Ana Paula Dantas - Por Victor S. Gomez

Entrevista com a Artista Plástica  Ana Paula Dantas - Por Victor S. Gomez

A arte poderia ser uma constelação, que tal? A Constelação de Arte. Ao olhar para o céu comentaríamos: - Aquela é a Constelação de Arte. Tamanha é a defesa que os artistas fazem da arte, que poderíamos inseri-la no zodíaco. O que acham? Então penso que tudo é arte, o universo, nosso planeta, os animais, as plantas, todas as nossas profissões, tudo é arte. Só estarmos vivos, existirmos, isso já é arte. Como dizem os cientistas, somos a maior improbabilidade do universo, um dos maiores trabalhos de Deus, que como Jackson Pollock, respingava tinta sobre uma tela e transformava um quadro em seu universo particular.

Defina como você se interessou pela arte e quando você se inseriu nela.
Nasci no Rio de Janeiro, mas vivi em Brasília do primeiro mês de vida até os meus 15 anos. Formada em Ciência da Computação, trabalhei 16 anos como professora de informática e desde a adolescência já manifestava um certo gosto por diversos tipos de arte e artesanato, observando e aprendendo com meu pai a desenhar e pintar suas telas e minha mãe com sua grande habilidade para trabalhos manuais. Todo esse interesse me rendeu muitos caixas de lápis de cor, blocos pra desenho, tintas e pincéis, nos aniversários assim como prêmios em concursos. Hoje, me divido entre duas paixões, que tornam os meus dias e horas mais preciosos. O desenho artístico e o macramê que me trazem uma imensa alegria, pois através dessas formas de arte posso influenciar para o bem e tocar o coração das pessoas.



Quais técnicas você domina?
Desenho em grafite e carvão são a minha grande paixão! Gosto de ver como uma folha branca, um lápis ou um bastão de carvão podem congelar o que os olhos veem. E com muitos ou, mesmo, poucos detalhes somos capazes de "reconhecer" algo, algum lugar ou alguém. Os tons em escala de cinza, branco e preto são incrivelmente poderosos e podem formar conjuntos de sombras e luzes revelando, de forma tocante, volumes e profundidades que podem representar tudo a nossa volta! Gosto de pensar como praticamente tudo o que está à nossa volta foi criado primeiramente a partir de um desenho; mesa, cadeira, computador, celular, automóvel, enfim, objetos que em algum momento passaram a existir na representação gráfica.
Hoje, "viajo" em outras técnicas e descubro resultados incríveis, como a pintura com a borra do café perfumada e emocionante! Essa bebida cheia de charme e aroma, tb pigmenta com delicadeza, lugares e paisagens pra lá de pitorescas!
As cores também me divertem e instigam por isso viajo nas misturas do lápis de cor, giz pastel seco e nas tintas também. Sempre experimentando e aprimorando as técnicas em desenho e pintura.



Qual a importância da arte para você?
Arte é pura emoção, simples e complexa ao mesmo tempo, instigante e transformadora!
É uma forma de linguagem, talvez a mais antiga. Arte, pra mim, é uma necessidade, tanto pelo aspecto da comunicação como pelo prazer. Além disso, desenhar, pintar ou tecer é cura, é crescimento, é sensibilidade e expressão!
Aprendi com meus amados pais... o caminho é buscar a verdadeira essência da arte dentro de qualquer coisa que se faça, em qualquer área em que se atue.
Quando se fala em artistas, pensa-se apenas em músicos, pintores, desenhistas, escultores, etc. Na verdade, culinária é arte, arranjo floral é arte, dispor a mesa com harmonia e beleza é arte, relacionar-se com as pessoas é arte. Devemos ser artistas no verdadeiro sentido da expressão, em tudo que fazemos. É a arte da vida. Tudo o que existe tem espírito, sensibilidade e energia! Ensinamentos preciosos de Mokiti Okada e a doutrina messiânica.
Gosto de me inspirar no trabalho fotográfico de alguns amigos profissionais e também amadores. Transformo fotos em obras de arte ainda mais lindas e tocantes. O modo como podemos congelar os objetos, os lugares, as pessoas, as emoções, tudo isso pode estar contido no olhar do fotógrafo, no click oportuno, na visão poética ou percepção inspiradora que se transforma numa imagem. É maravilhoso desenhar assim!
É inexplicável a emoção que sinto quando desenho e eu acredito que a gente ganha um pedacinho da pessoa, quando adquire alguma arte feita pelas mãos de alguém!
À um ano decidi me dedicar exclusivamente à arte, por incentivo de minha maior fã… minha mãe. Além disso quero que minha filha, mesmo adulta, possa encontrar uma gaveta cheia com meus fios, lápis e pinceis e continue a brincar de tecer e pintar a vida com eles, assim como herdei de meus pais, talentos e o gosto pelo belo!
Eles costumavam dizer que o sentimento de amor, impregnado no que fazemos, tem um poder inimaginável!
Existe um mito de que o artista é um ser especial, dotado de um talento nato. Privilegiado por Deus. Eu discordo, em parte. O artista é, na verdade, um ser em construção, que precisa constantemente de treino e persistência para se afirmar. Cada uma de suas obras, precisa ser pensada e repensada, corrigida e retificada na busca da perfeição. Um pouco de talento é, sem dúvida, necessário. Mas não basta. É preciso exercitá-lo. “Só se aprende a desenhar, desenhando... assim como só se aprende a pintar, pintando. Pois bem, esse deve ser o verdadeiro espírito do artista.
Por isso, digo: Lute, pratique e trabalhe muito... até sua assinatura se transformar em autógrafo!



Para você qual a importância do voluntariado? 
Você está inserida em algum projeto voluntário?
Se sim diga qual projeto você ajuda.
Participo do Coletivo Arte Valença que visa reunir os artistas de Valença. Movimento em prol da valorização, exposição e propagação da ARTE VALENCIANA! - Valença-RJ.
Artes Plásticas - Literatura - Dança - Teatro – Música
Trabalhar por um propósito tão nobre é algo grandioso uma oportunidade de transformar coisas, pessoas e situações, nosso intuito é fazer com que as pessoas valorizem e se contagiem pela arte e tudo que ela pode lhes proporcionar. Que alcancem este grande propósito, centenas de vezes maior do que apenas sobreviver em sociedade.




Você acha fácil trabalhar com arte em nossa cidade? Explique os motivos.

Se não diga qual seria sua proposta para melhorar.
Acho bem complicado desenvolver arte na cidade. Não há, de fato, incentivo ou valorização. Mas há um movimento interessante e novo tentando mudar essa realidade. Penso que depende muito mais de nós artistas, de parar de acreditar que tudo só acontece se houver envolvimento político. Sim, o poder público pode ajudar, mas não deve figurar como protagonista! Nós somos a célula mais importante, a engrenagem mais poderosa, capaz de mover o universo em prol da cultura e da arte… basta acreditarmos, nos organizarmos e partir para a ação. Mesmo que comecemos com pequenos movimentos ou intervenções modestas. É preciso começar! Colocar pra fora nossos talentos para que todos vejam, sintam e vivenciem a mesma emoção que sentimos quando criamos e desenvolvemos nossas obras!
O respeito e a valorização serão consequências naturais!



Para você, o artista deve ter uma postura distante, ou ir de encontro a população, compartilhando sua arte, e aprendendo junto com todos?
Distante, de forma nenhuma! Nos aproximamos das pessoas quando contemplam nossas obras, quando interagem com elas, quando admiram e também quando não se identificam, pois de alguma forma já ouve conexão.
A arte é uma forma de linguagem, talvez a mais antiga. Pode trazer muitos benefícios à saúde do corpo e do espírito, tanto pelo aspecto da comunicação como pelo prazer que proporciona. O desenvolvimento e a prática do fazer artístico são muito importantes para o ser humano! A arte pode tocar você e transformar o modo como enxerga o mundo à sua volta.
Sempre penso como é fascinante transformar uma superfície branca e vazia em ARTE, com o único e nobre propósito de EMOCIONAR! A obra torna-se completa no momento do último traço, mas só ganha status quando recebe o primeiro olhar observador, depois do artista.
São diferentes impressões, diversas percepções, milhares de interpretações... muitas sensações. Se não fosse pelos nossos olhos... que propósito teria a LUZ e a SOMBRA? Assim, como uma das mais complexas estruturas do corpo humano, nosso olhar leva a todas as células mensagens poderosas que nos provocam reações, intituladas EMOÇÕES!
Este é o propósito!



O sonho de juntar o trabalho artístico e doação, e fazer dele uma ferramenta de transformação social é viável?
“A lei do Darma diz que todo ser humano tem um talento único. Ou seja, você tem um talento só seu. Ele é único em sua expressão e tão específico que ninguém mais em todo o planeta tem igual, ou maneira parecida de expressá-lo. Isso significa que há uma coisa que você pode fazer de um jeito melhor do que qualquer outra pessoa sobre a terra. Quando você esta fazendo essa coisa, perde a noção do tempo. E quando esta expressando esse talento único - e muita gente tem mais de um -, você penetra na consciência atemporal.”
Gosto demais dessa definição de Chopra! Por isso, penso muito em resgatar um projeto antigo… uma Escola, uma oficina de artes que contemple jovens, adultos ou crianças dando-lhes a oportunidade da descoberta de si próprios como artistas. Estimulando talentos esquecidos ou nunca revelados. No tempo certo, vai acontecer!
Termino com uma lembrança de minha mãe...uma de suas últimas falas em vida, seu último conselho…
"A vida tem a cor que você pinta! Examine tudo e mude a direção se for necessário, pois mudando você... você muda os outros!"



Participei recentemente de alguns projetos:
Exposição no Espaço Excalibur em Juiz de Fora, que abriu as portas e abrigou um projeto  magnífico, cuja nobre missão foi presentear os artistas dando-lhes visibilidade e valor à suas obras. Foi maravilhoso! Me senti especialmente acolhida e valorizada! Pude contar um pouco da minha trajetória, inspirações e técnicas. Conquistar o olhar das pessoas é mágico, mas tocar seu coração compartilhando minha paixão pelas artes, é esplendoroso!
Mostra de Desenhos e Pinturas na 17ª Feira de Cultura da Fundação Léa Pentagna, a casa Museu mais charmosa e encantadora da região. Valença é, mesmo, uma cidade privilegiada por abrigar uma instituição com tão alto valor cultural e que está sempre na luta fomentando turismo, arte, lazer, educação, história, saúde e bem estar!
Exposição de Desenhos e Pinturas Artísticas na Rua Cultural Olga Tabet – Espaço de cultura na Festa da Glória / Valença-RJ.
Mostra de trabalhos em Grafite, em homenagem à Rosinha de Valença.
Exposição "Rosinha de Valença - Chega de Saudade!"
Uma homenagem à Rosinha nos 60 anos de bossa nova. Exposição de materiais biográficos, artísticos e apresentações ao vivo.

20 maio 2019

Abertas as inscrições para Mostra Musical Tum Tum

Inscrições para participar da seleção estão abertas até 26 de maio

As oportunidades devem ser aproveitadas, então vamos lá que não dá para esperar que tudo caia do céu sem esforço.

Grupos interessados em participar da Mostra Musical Tum Tum Instrumental têm até o dia 26 de maio para se inscrever no edital/chamada pública que irá selecionar as atrações que irão compor a programação. 

Em sua sétima temporada consecutiva, a Mostra irá selecionar 12 grupos ou músicos/musicistas nacionais ou latino-americanos para apresentações em Caxias do Sul entre julho deste ano e março de 2020.

Se inscreva aqui:

fonte:

16 maio 2019

Orquestra na Academia Valenciana de Letras

Na noite desta sexta-feira, dia 10 de maio a Orquestra do Jardim Valença se apresentou na Academia Valenciana de Letras no Projeto Música na Academia.

O que a musica nos traz é mais forte do que imaginamos, tudo que ouvimos fica guardado em nosso cérebro, mesmo os sons mais diminutos, então o que dizer de uma música erudita ou clássica como dizem alguns? Nossas lembranças sempre serão importantes, tudo tem seu valor, e o que uma música nos apresenta pode muito bem nos remeter ao nosso passado, as vezes triste, as vezes alegre, e isso é o que importa. Nossas lembranças sempre serão a melhor forma de viajar no tempo. Victor S. Gomez - Escritor

Fotos: Victor S. Gomez e Orquestra Jardim Valença
Créditos: Katia Tabet Barros









14 maio 2019

Cidades Criativas - Incubação Valença

Cidades Criativas - Incubação Valença, Programa de Incubação de empreendimentos.

Aconteceu na Fundação Lea Pentagna a palestra Cidades Criativas - Incubação Valença. Atividades de capacitação presenciais e incubação de empreendimentos criativos à distância em Valença - RJ. 

O encontro aconteceu no dia 10 de Maio, sexta-feira, das 18h30 às 21h, na Fundação Lea Pentagna e teve um publico razoável. Estavam presente o Vice Prefeito Hélio Suzano e todos os Diretores do Conselho Municipal de Cultura de Valença - RJ.

Valença recebe o projeto de incubação “Cidades Criativas”
Atividade gratuita é realizada na Casa Léa Pentagna

O projeto “Cidades Criativas - Incubação de Empreendimentos” inclui atividades de capacitação presenciais e incubação de empreendimentos criativos à distância, desenvolvendo competências e auxiliando agentes dos segmentos da economia criativa de Duque de Caxias, Valença e Vassouras.
Lei mais em Cidades Criativas: http://bit.ly/valencacriativa

Fotos: Ena Januzzi

 Diretoria do Conselho Municipal de Cultura de Valença - RJ

 Vice Prefeito de Valença Hélio Suzano





10 maio 2019

O Projeto Valença Troca Livros Precisa de Ajuda

Ajude no Apoia.se:
https://apoia.se/valencatrocalivros

O Projeto Valença Troca Livros precisa de ajuda.
Victor S. Gomez - Escritor, Ator e Empreendedor Social. Alguns já conhecem a minha luta na internet, que vem desde 2008. Tenho um Blog Cidadania, www.victorsgomez.com , que tenta ajudar pessoas que querem fazer a diferença, lutando para construir um mundo melhor. Além disso desenvolvi esse projeto, Valença Troca Livros, que como diz é um projeto de troca de livros, visando o incentivo à leitura. Tenho um Boletim Informativo do projeto e estou precisando de uma peque ajuda, para manter o projeto e o informativo. Não é obrigatório, muitos as vezes querem ajudar mas não podem e isso é compreensível.
https://apoia.se/valencatrocalivros


Se você tem algum livro guardado que não queira mais, acumulando poeira, traças, mas em bom estado de conservação. Quer colocá-lo para circular? Então venha trocá-lo por livros novos e em bom estado de conservação no projeto Valença Troca Livros.


O Projeto Valença Troca Livros está todo sábado, de 9:00 as 12:00h, na Rua dos Mineiros, em Valença RJ.
Ajude a divulgar o projeto Valença Troca Livros.
Se você tem algum livro guardado que não queira mais, acumulando poeira, traças, mas em bom estado de conservação. Quer colocá-lo para circular? Então venha troca-lo no projeto Valença Troca Livros. 
A troca é 1x1, a pessoa traz um livro e troca por outro. Tem também retroca. Se você já leu o livro que trocou, pode trazê-lo e trocá-lo por outro.
Os livros que devem ser trazidos para troca podem ser de: Poesia, Romance, Contos, Crônicas, Biografia em bom estado de conservação.
Um projeto do Grupo de Escritores Flor e Poesia
Escritor Victor S. Gomez, Escritora Déia Sineiro e Escritor Mário Sérgio Sigall Estamparia.

#Cultura, #dicadelivros, #escritores, #incentivoàleitura, #literatura, #livro.


08 maio 2019

Uma Certa Rua Deserta - Victor S. Gomez

Muitas coisas que acontecem em nosso mundo real nos parecem tão irreais que talvez nem sejam daqui, quem sabe isso esteja acontecendo em um universo paralelo, num mundo onde o realismo fantástico seja normal. Se esse mundo existisse ele seria feito do medo que todos nós temos, medo do que vemos todos os dia nos telejornais, um morto aqui, um assalto acolá, ou um tiroteio em frente a uma escola pública e atingindo nossas crianças. Quem sabe as redes sociais são culpadas por isso, por soltar noticias falsas todos os dias, todas as horas, são tantas que as pessoas nem checam mais, e as aceitam e compartilham como se fossem as mais verdadeiras. E o ódio que divide nosso povo se avoluma, aumenta a cada dia, com pessoas que mastigam essas mentiras e as vociferam para cima de outras pessoas, que muitas vezes nem sabem o que está acontecendo. 

A mentira e ódio compartilhados podem dividir e destruir uma nação. Victor S. Gomez


Uma Certa Rua Deserta , do Livro de Victor S. Gomez, Universo Interior.

Lá ia eu, naquele sobe e desce, parecia até um ioiô, para cima e para baixo, pela Rua da Garapa rumo ao galpão da feira livre, como fazia todos os domingos. Eu já tinha me acostumado, com aquele sobe e desce da Rua da Garapa, toda cheia de lombadas. Era cansativo, mas ainda era o caminho mais curto para a feira. Aos domingos no galpão, toda cidade se encontrava para colocar os assuntos em dia. Desde a venda de uma vaca até comentários maldosos sobre quem dormiu com quem ou quem bebeu demais e não chegou em casa. Desse jeito é que se colocavam os assuntos em dia aqui na minha cidade. No final da Rua da Garapa era obrigatório virar à esquerda ou à direita e para se chegar ao galpão da feira, não era permitido seguir em frente. Não que fosse impossível ir em frente, não havia nenhum morro impedindo a passagem, apenas aquelas duas placas, uma apontando para a direita e a outra para a esquerda. Eu não entendia muito bem essa situação porque como todo mundo podia ver aquela rua não acabava ali. Ela continuava. Não igual ao caminho anterior cheio de lombadas, mas igual a uma rua normal, plana, com lojas, calçadas e postes. Só com uma pequena diferença: por lá não passava ninguém. 

No tempo anterior à revolução, o povo ainda não estava dividido. As pessoas eram alegres, a cidade fervilhava com as novidades vindas da capital e expostas nas vitrines das lojas dos judeus da Rua da Garapa. Era meu pai que contava essas histórias. Contava também como a revolução chegou e acabou com toda a alegria, trazendo tristeza e dividindo o povo de nossa cidade. E de como a Rua da Garapa ficou cheia de lombadas. Meu pai me dizia que antes da revolução não existiam lombadas nessa parte da rua. Tudo começou altas horas da noite, quando as máquinas do governo chegaram e começaram o trabalho. Os operários estavam protegidos por um forte esquema de segurança, formado por soldados da Guarda Nacional, para evitar ataques dos revolucionários. Aquilo tudo se fazia desnecessário, pois há muito os rebeldes foram vencidos e escorraçados para o outro lado do Mar Grande. Eles faziam sempre assim quando queriam fazer a coisa parecer importante. Foi nesse dia que começaram a fazer as lombadas e colocaram as placas. Meu pai dizia também, que as lombadas eram para cansar as pessoas, para que quando chegassem ao final daquele sobe e desce estarem tão exaustas, que nem questionariam aquelas placas. Simplesmente virariam à esquerda ou à direita. Eu tinha contado mais ou menos umas cento e trinta e nove lombadas. Uma verdadeira montanha russa, era para cansar mesmo. Usava esse caminho toda vez que ia à feira. Acho que era porque não me conformava com essas lombadas e nem com as placas. Eu ia pela rua pensado e tentando entender a razão do motivo de ter que virar à esquerda ou à direita se o caminho ficava mais curto se eu seguisse em frente. Uma certa rua deserta, era como ficou conhecida essa parte da Rua da Garapa, além das fronteiras da nossa cidade. Logo depois da criação das lombadas e da colocação das placas, vieram repórteres da capital e até do exterior. Algumas empresas de turismo incluíram nossa cidade em suas rotas turísticas. Todos queriam conhecer a rua onde não passava ninguém. Mesmo as pessoas de nossa cidade iam até lá, inclusive aquelas que já tinham passado pela rua várias vezes antes de seu fechamento e até mesmo comprado em suas lojas. No princípio as autoridades daqui, vendo o grande movimento de pessoas indo à Rua da Garapa, passaram a colocar guardas e uma cerca para impedir a passagem. Mas logo viram não ser necessário, pois todos respeitavam as placas. Tinham medo do que não entendiam.  

Meu pai foi um dos primeiros a ir lá depois da divisão da Rua da Garapa. Ele também foi um dos primeiros a se alistar e a lutar lado a lado da Guarda Nacional na época da revolução. Lembra dos primeiros combates onde as baixas foram 
grandes de ambos os lados, mas pouco a pouco a superioridade numérica e o maior preparo militar dos soldados da guarda foram sendo sentidos. E lembra, também, do dia da grande vitória, no qual todos os revolucionários sobreviventes corriam em desnorteada carreira na direção do mar. Do lado da Guarda Nacional a euforia era grande, todos comemoravam a vitória com gritaria e tiros para o alto. Do lado dos rebeldes, o desespero e o medo. Eles fugiam em pequenas embarcações pelo Mar Grande. Eram o mesmo povo, mas nesse momento estavam tão distantes quanto a grandeza do mar que agora os começava a separar. Meu pai só não se lembrava por que tinham fechado a Rua da Garapa, nem o motivo da revolução. 

Eu tinha parado diante das placas enquanto relembrava essas coisas. Mas dessa vez não viraria nem para um lado nem para outro. Ia seguir em frente. Sabia que seria um caminho sem retorno, como o escolhido pelos revolucionários, mas eu já tinha certa idade e devia decidir meu próprio destino. Sei que isso talvez me separe dos outros habitantes da cidade, como o Mar Grande separou o nosso povo, mas eu já tinha escolhido o meu caminho. Começava agora para mim uma nova vida.

Onde comprar o livro Universo Interior:
Autor do livro Universo Interior, Victor S. Gomez é Escritor, Empreendedor Social e Educador Social
Primeiro lugar no Prêmio Olho Vivo 2014 - Volta Redonda - RJ
Veja a página do escritor no site da Editora Patuá.
https://editorapatua.minhalojanouol.com.br/produto/40926/universo-interior-de-victor-s-gomez

04 maio 2019

Edital TAU - Território Arte Urbana

Inscrições aberta para mostra de artes visuais nas diversas técnicas. Inscrições abertas do dia 17 de abril a 12 de maio de 2019, onde serão selecionadas 18 obras em diversas técnicas e linguagens como desenho, colagem, graffiti, muralismo, vídeo arte, escultura, instalação, bordado e fotografia

O evento acontece de 12 a 21 de julho com realização ao vivo pelas ruas do bairro. As obras ficarão expostas para visitação pelos bairros de Santa Tereza e Horto de 21 de julho a 01 de setembro. 

Para se inscrever o candidato deverá preencher a Ficha de Inscrição disponível no link http://territorioarteurbana.com.br/inscricao/

O edital da convocatória está disponível no link http://territorioarteurbana.com.br/convocatoria ou baixe o PDF.

Passo a passo de como criar uma ONG