Postagem em destaque

O Projeto Valença Troca Livros Precisa de Ajuda

Ajude no Apoia.se: https://apoia.se/valencatrocalivros O Projeto Valença Troca Livros precisa de ajuda. Victor S. Gomez - Escritor, Ato...

18 março 2019

Literatura - Deixem de Mimimi nas Redes Sociais

Pensamentos que Penso ser Poesia

Não me considero um poeta, mas algumas coisas que escrevo soam com poesia, são apenas pensamentos poéticos. Algo que de tanto explodir dentro de mim, abriu um buraco e conseguiu sair, indo parar em um pedaço de papel. Textos saídos da alma, de lugares esquecidos da mente, pedaços do meu coração jogado na tela de um computador. Pensei em chamar isso de: Pensamentos que Penso ser Poesia.


Deixem de mimimi nas redes sociais e briguem pelo que é devido
Victor S. Gomez - Escritor

Nosso sangue está sendo sugado a cada instante,
o tempo todo,
de dia e de noite, 
os abutres nos acompanham,
todos os dias,
esperando apenas uma brecha,
um momento, 
um cochilo nosso,
um desmaio.
Como se não bastasse,
Os sanguessugas,
os vermes, 
os vampiros,
fazem fila à nossa porta,
querem nosso sangue,
 e o de nossos irmãos, 
nossa carne,
querem tirar o que nos resta,
e nós ingênuos que somos,
ainda lhe abrimos a porta,
os mandamos sentar,
oferecemos nossa vida em uma bandeja,
mas não é só isso que eles querem,
pedem também a vida de nossos familiares,
de nossos amigos, 
de nossos vizinhos,
querem que briguemos por eles,
como se deuses fossem.
E qual ovelhas de um rebanho maldito, 
compactuamos com eles,
acreditamos fielmente em suas mentiras,
que nos espalham todos os dias, 
e fazemos dos nossos, 
nossos inimigos. 
Vendemos nossa alma e tudo que temos,
as vezes mais do que isso, 
cedemos tudo por promessas vazias,
delírios de grandeza,
que apenas nos tornam cúmplices de um genocídio,
de um massacre onde só eles lucrarão.
Droga de vida!
E blasfemamos contra a vida,
achando que a culpa é do outro,
e não nossa também.
Deus nos perdoe por agirmos assim,
de trocarmos nossos irmãos,
por essa corja que só fala mentiras,
que nos obriga a sermos como eles,
de agirmos como o braço da morte,
enquanto eles sentam em seus tronos de ouro,
dão ordens, 
e fazem de nós assassinos dos que são inocentes,
que nada praticaram,
apenas são diferentes,
ditos por eles seres inferiores,
e que sujam nosso país.
Podres são aqueles que acreditam em falsos vaticínios,
maiores bestas são os que trazem a morte em seu sorriso.
Pior do que aquele que mata,
é o covarde que manda matar.

Aviso: A cópia de qualquer texto sem autorização expressa do autor constitui crime de violação de direito autoral, conforme o art.184 do código penal cominado com a lei nº 9610 de 19 de fevereiro de 1998.

Passo a passo de como criar uma ONG