Postagem em destaque

O Projeto Valença Troca Livros Precisa de Ajuda

Ajude no Apoia.se: https://apoia.se/valencatrocalivros O Projeto Valença Troca Livros precisa de ajuda. Victor S. Gomez - Escritor, Ato...

16 fevereiro 2019

Como Captar Recursos no Exterior para Projetos Sociais II

Continuação da postagem: Como obter recursos no exterior.

Somente com uma boa capacitação é que você poderá gerir um bom projeto.

Carla Cristina Daher

Como obter financiamento para projetos em países da Europa

Por Carla Cristina Daher
Elaboração do projeto

Gostaria de “abrir” esse texto retificando o anterior.

Há poucas horas foi anunciado o salto do Brasil para a sexta potência econômica mundial, o que vai tornar ainda mais difícil a busca de recursos na Comunidade Européia se seu projeto não conseguir contextualizar exatamente o problema que o objetiva e a necessidade de recursos para executá-lo.

Provar aos “bailleurs de fonds” (investidores) a desigualdade social e a massa de pobreza existentes em todos os países emergentes passa a ser a partir de então, tarefa para técnicos ainda mais especializados e talentosos na arte da escrita e do detalhamento, sem que a leitura de seu projeto torne-se cansativa.


A elaboração de um projeto obedece a etapas e seu conteúdo deve mostrar as reais necessidades de seu público alvo não esquecendo principalmente das perguntas-chave que seu financiador fará ao deparar-se com o material apresentado.

•    Quem está apresentando o projeto, conhece as reais necessidades do público alvo ?
•    O público alvo deseja realmente transformar sua realidade ?
•    Existe alguma liderança associativa envolvida no projeto ?
•    Qual a perenidade de seu projeto ?
•    Existe a possibilidade de se criar multiplicadores ?
•    Qual o interesse do seu projeto para a comunidade ?
•    Seu projeto altera ou tenta transformar costumes culturais ?

Não adianta alimentar o sonho de que basta contextualizar a miséria social que seu parceiro investidor europeu “sonhará o seu sonho”.

Partindo do princípio que o “Bailleur de fonds” é um parceiro em potencial, ele precisa estar a par de todos os detalhes dos outros parceiros e da sua instituição. Ninguém aposta em parcerias no escuro.

•    Qual é o estado da “saúde” financeira desse parceiro ?
•    A imagem do parceiro nacional coaduna com a imagem da sua instituição ?
•    Qual é a imagem que o púlico em geral tem do seu parceiro nacional ?
•    Os parceiros nacionais apresentados são idôneos ? 

Você precisa ser convincente, realista e acima de tudo TRANSPARENTE. Deve também gozar da simpatia das pessoas que conhecem a sua instituição. Isso não é primordial mas é certamente um “plus” bastante positivo, pois quando um parceiro investidor se interessa pelo que lê em seu projeto ele certamente procura informações sobre a sua instituição nos meios mais variados, dentre êles, rêdes sociais, sites correlatos, participações em eventos, etc.


Lembre-se, eles entrarão em contato com os parceiros que você citou no seu projeto; portanto, evite a “livre criação” para que sua instituição não “caia” no descrédito e consequentemente seu projeto não “caia” na lixeira mais próxima do analista de projetos. Um “bailleur de fonds” recebe milhares de projetos diariamente, muitos vêm do planeta “Pinóquio”, outros apresentam qualidade e obedecem aos critérios estabelecidos.

Uma segunda análise é feita e elimina de vez os projetos duvidosos, inviáveis.

Outro elemento de extrema importância, os custos não devem conter centavos e devem ser apresentados na moeda do seu parceiro internacional em potencial. Não superfature seu projeto pois se acaso for aprovado, o “bailleur” estará acompanhando futuramente cada etapa da sua execução ou enviará pessoal especializado para analisar as contas com sua instituição em períodos acordados.

1ª Etapa:
Breve apresentação da sua instituição;
Identificação da problemática;
Localização da execução do projeto;
Contexto político local;
Apresentação da solução.

2ª Etapa
Discriminação do projeto
a- Material necessário
b- Pessoal técnico envolvido

3ª Etapa
c- Cronograma de execução;
d- Custos do projeto (com os respectivos anexos – orçamentos justificando custos);
d- Cronograma de despesas.

Apresentaremos na próxima edição os “passos” para a apresentação do projeto aos financiadores em potencial.

Passo a passo de como criar uma ONG