Pesquise Modelo de Projeto Social

25 abril 2017

Alerta: Água pode Acabar

Desperdiçar água é prejudicial a todos, vamos tentar minimizar essa situação e colaborar com o meio ambiente, contribuindo com a economia de água.

Ao contrário do que parece, a água é um recurso natural esgotável.


Quando a torneira secará? A água está se tornando um bem escasso em nosso planeta. Estima-se que em 20 anos, 48 países deverão enfrentar escassez ou falta extrema de água, o que afetará uma população de 2,8 bilhões de pessoas. E então, como faremos? Sem água não há vida, pois o planeta Terra e os seres vivos necessitam da água para sua sobrevivência.

Por que a água é tão importante?
Cerca de 70% a 75% do corpo humano é formado por água. À medida que envelhecemos, essa proporção diminui: entre os 40 e os 60 anos, por exemplo, a percentagem de água cai para 50% a 58%. Mesmo perdendo água com o aumento da idade, ainda assim mantemos mais da metade do nosso corpo constituído por água.

Como podemos cuidar da água? Primeiro, vamos acabar com o desperdício! Como? Isto não é difícil! Veja:
•fechar bem as torneiras;
•não deixar o chuveiro ligado à toa;
•regular as descargas;
•não ficar horas lavando a calçada ou o carro com água potável

Sites Consultados:

18 abril 2017

O Antes e o Depois do Projeto SOS Serra dos Mascates

Amo o que faço e o que sou cada dia mais.

Como ficou o nosso plantio na Serra dos Mascates

Entre 2009 e 2011 foram plantadas no alto da Serra dos Mascates cerca de 1000 mudas de árvores nativas da Mata Atlântica. Na época eu participava do Projeto SOS Serra dos Mascates juntamente com André Dias. Projeto esse que levava crianças e adolescentes de colégios públicos e particulares, além de instituições parceiras, como UNIMED, Rotary Club, Johrei Center Valença e outras, para plantio de mudas. O projeto foi um sucesso, tanto em relação a diminuição de queimadas, como também no reflorestamento, como mostram essas fotos, tiradas por mim, semana passada, quando de um visita que fiz à Serra dos Mascates. Victor S. Gomez

O poder de fazer nos é dado por Deus, mas nós é que escolhemos como exercer de melhor forma esse poder. Victor S. Gomez












17 abril 2017

Magnólia

O quintal da Casa Lea Pentagna a todos fascina. Lá estão árvores, algumas centenárias, misturadas a arbustos e flores. Seus caminhos, em terra batida e cercados de verde, são um PROZAC a custo zero.

Uma das árvores é a Magnólia. Do gênero Magnólia, produz flores simples e brancas, de vinte a vinte e dois centímetros de diâmetro, de perfume suave. É originária de regiões temperadas do Hemisfério Norte. 

Quadro encontrado na Casa Lea Pentagna

Normalmente eram plantadas em casas pertencentes a pessoas de recursos. Aqui em Valença elas existiam no estacionamento do Venturão e no Colégio Estadual Theodorico Fonseca (antigo Palácio do Visconde do Rio Preto). As da Casa Lea Pentagna são três: duas antiquíssimas e uma novinha, produto do esforçado cultivo do Conselheiro Luiz Francisco Moniz. 

São árvores pertencentes a mesma família da tulipa e do anis- estrelado, este usado em gastronomia. 

Página 21 do livro Plantando uma Amizade de Rubens Matuck

Rubens Matuck é um escritor, ilustrador, gravador, pintor, aquarelista, escultor, desenhista, designer gráfico, quadrinista e professor de arte brasileiro.

Informações:
Rua Vito Pentagna, 213
Valença (Rio de Janeiro)
Tel: 024 2453-4178
E-mail: lea.pentagna@uol.com.br

Curta a página da Fundação Lea Pentagna
Compartilhe!

Visite nosso site: 
http://www.casaleapentagna.org.br/ — em Valença (Rio de Janeiro)

12 abril 2017

Lei de Murphy

Que M...
"A lei de Murphy diz que se algo pode dar errado, dará."
Tenho certeza que os políticos brasileiros se fiam nessa lei. Eles acreditam que tudo vai dar certo para eles, porque foram eles que criaram as leis que os protegem, e que só ele é que podem mudá-las, então tudo que está acontecendo não vai dar em nada, pois em algum momento tudo vai dar errado para nós, tudo irá parar, principalmente por causa das leis que os resguardam. As leis estão do lado deles, e mesmo que insistamos em puni-los, nada acontecerá, pois em determinado momento as leis criadas por eles os protegerão. Eles não precisarão fazer nada, é só aguardar. Então, se eles estão protegidos, nada acontecerá. "Se tudo pode dar errado, então dará." É fato!
Um grande exemplo do que digo, é o senhor Fernando Collor de Mello, ele foi tirado da presidência, mas está aí novamente, livre, leve e solto, e presente na lista dos corruptos da Odebrecht


04 abril 2017

Conversa sobre Captação de Recursos

Conversa de Victor S. Gomez com a amiga Sandra Pimentel no Facebook sobre captação de recursos.

Sandra - Olá amigo boa noite. Preciso da sua ajuda se for possível. É que li uma apostila que você escreveu sobre captação de recursos, mas não sei como fazer a abordagem.
Eu faço parte de uma ONG e estamos em dificuldades muito grandes.

Victor - Eu não escrevi. Apenas publiquei.

Sandra - Muita pobreza aqui onde estou
Ah ta

Victor - Essa é a parte mais difícil de uma ONG

Sandra - Kkkkkk
Sim

Victor - Ainda mais com a crise

Sandra - Sim

Victor - A capitação de recursos é de cada instituição, no meu caso tive muita ajuda de pessoas que se identificaram com o projeto.

Sandra - Sim

Victor - É aquele caso, eu estava no lugar certo na hora certa. Hoje a ONG não funciona mais. Mas foi um trabalho muito gratificante.

Sandra - Sim. Eu gostei bastante da apostila

Victor - Busque pequenas parcerias na comunidade. Tente criar algum produto vendável. Faça bingo, almoço, o que puder para arrecadar alguma coisa.

Sandra - Sim

Victor - E tente patrocínio com empresas médias, é difícil, mas não impossível. Assim que fiz durante 5 anos e levei um trabalho sério e transparente, que atendia 70 crianças por dia.
Boa sorte. Abraços

Sandra - Obrigada amigo
Muito boas dicas
Abraços

03 abril 2017

Um Poema Emocional de Victor S. Gomez

Mais um poema emocional de Victor S. Gomez

Victor S. Gomez é Escritor, Ator e Educador social.

Memoria Beat - Poema do absurdo
Victor S. Gomez
Conheci Allen Ginsberg quando distribuía flores naquela cidade,
de prédios tão grandes que se perdiam de vista,
alguns não acreditam,
mas eu estive lá.
Ele parou, me olhou nos olhos e disse:
E aí garoto o que está fazendo por esses lados?
Precisa de algo?
Em que posso ajudá-lo?
Que tal irmos ao bar mais próximo?
Gostaria de lhe contar algumas histórias.
Atravessamos aquela enorme avenida,
poucos carros circulavam,
mas todos de um preto tão reluzente,
que nossos reflexos andavam por suas latarias.
Do outro lado,
no bar era um entra e sai imenso.
Loucos vagavam por ali,
poetas,
saltimbancos,
músicos,
toda espécie de gente.
Sentamos bem ao fundo,
bebemos,
conversamos muito.
Uma algazarra tremenda se fazia ali.
Muita música depois uma parada,
era a vez dos poetas loucos,
ou loucos poetas declamando seus absurdos poemas,
contra tudo e contra todos,
ali se respirava muita emoção.
E eu sentado diante de um dos maiores poetas norte-americanos,
ouvindo suas histórias,
era um tempo de verdades escritas.
E ele me falava todas aquelas coisas,
declamava seus poemas sublimes,
e eu ia tentando guardar o máximo que podia,
e fui aprendendo,
assimilando o melhor daquilo tudo.
Eu realmente estive com ele.
E foi naquele submundo,
cheio de fumaça esverdeada,
que ouvi de sua boca:
"Para onde Oh América
é que guias o teu
glorioso automóvel,
a que acidentes te inclinas".
Então percebi,
que meus pobres versos,
meus mais simples escritos,
em nada se aproximavam daquelas frases.
Eu pequeno poeta,
nunca saberia da grandiosidade dos doces poetas.
Eu nunca teria a sorte de me expressar de maneira tão grandiosa.
Suas palavras tinham a serenidade do mais distantes dos oceanos.
Naquela noite,
uma noite dos anos 40,
que nunca mais esqueci,
eu aprendi:
Nós crescemos a medida que abrimos mão de nossos egoísmos.
O mundo é maior do que pensamos,
e só estaremos preparados para a vida se nos despirmos de todo preconceito.

Passo a passo de como criar uma ONG