Pesquise Modelo de Projeto Social

27 junho 2013

Captação de Recursos para Projetos Culturais

Outra ótima capacitação.

A captação de recursos é um dos maiores problemas para instituições, pois na maioria das vezes a falta de preparo nessa área faz com que muitas ONGs acabem antes da hora. Bons projetos as vezes não duram muito, ou não podem ser levados adiante de maneira mais eficaz por não contarem entre seus voluntários, quem esteja preparado para esse trabalho. 

Curso: Captação de Recursos para Projetos Culturais

Objetivo: Apresentar, clara e objetivamente, as noções necessárias para que os responsáveis por projetos culturais enquadrados, ou não, nas leis de incentivo à cultura, possam fazer a captação de recursos para os mesmos.

Data, Local e Horário:
Auditório Cenib
Av. Rio Branco, 257, 2º Andar –
Centro - RJ
Dia: 17 de Julho de 2013
Horário: 10:00 as 16:00

Professor: Pedro Genescá

Após o pagamento solicitar a ficha de inscrição pelo email: contato@criativasocial.com


24 junho 2013

Eventos em Conservatória 2013

Eventos do segundo semestre de 2013 em Conservatória.

Vá preparando as malas, você não pode perder!

Um passeio inesquecível, cultura e cidadania, juntas em um só lugar.

Em meio as montanhas de Valença, Conservatória se destaca em saber receber a todos, com tranquilidade e muita festa.


JULHO:

05 a 07 - Festa Caipira
(participação especial das escolas)

12 a 14 - Festa Caipira
(participação especial das escolas)

13 - Caminhada na Natureza
Integrada ao calendário da Federação Brasileira de Caminhadas
(anda Brasil)

19 a 21 - Festa Caipira

26 a 28 - Festa Caipira

AGOSTO:

03 - Eu Também Canto

16 e 17 - Palco MPB

31 - Encontro de Seresteiros

SETEMBRO:

05 a 08 - VII Festival Cinemúsica

21 e 28 - Noites de Choro em Conservatória

27 a 29 - Eu Também sei Dançar

OUTUBRO:

04 e 05 - Festival da Imigração Japonesa em Conservatória

25 e 26 - 2º Festival de Poesia

18 e 19 - Carnaval Antigo

NOVEMBRO:

22 a 30 - Feira Natalina

29 e 30 - IX Encontro de Corais

DEZEMBRO:

01 a 15 - Feira Natalina

06 e 07 - IX Encontro de Corais

14 - Auto de Natal

Chegando em Conservatória passe na Cheiro de Fulô
e sinta os Odores da Terra.

20 junho 2013

Para Fundar uma ONG

Se você deseja fundar uma ONG é preciso que esteja atento ao código civil, para isso é necessário que você tenha um advogado que possa revisar o texto do estatuto. Ele também será essencial na assinatura do estatuto, rubricando todas as páginas e carimbando-as.

Perceba que esse é um estatuto padrão para ONG, caso queira utiliza-lo para criar uma OSCIP ele deverá sofre algumas modificações.

Não esqueça também que você deverá colocar os objetivos referente ao trabalho que sua ONG vai realizar junto a comunidade, para que no futuro não tenha que ficar alterando o estatuto, pois só poderá fazer isso convocando assembleia para tal e registrando a ata da mesma.

 CAPÍTULO I
DA DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETIVOS E DURAÇÃO
Art. 1º Sob a denominação deXXXXXXXXXXXXXX– doravante denominada simplesmente XXXXXXXXXXXXX - fica constituída uma instituição civil, sem fins lucrativos, de caráter cultural, educativo, científico, assistencial e filantrópico, de duração indeterminada, com sede e foro em XXXXXXXXXXXXXX.
Parágrafo Único - Poderá a XXXXXXXX, a critério de sua Diretoria Executiva, instalar agências, escritórios ou representações em qualquer localidade, bem como associar-se a outras entidades de objetivos afins em qualquer parte do mundo.
Art. 2º A XXXXXXXXXX terá como finalidades:
I – formular políticas públicas de interesse da juventude;
II – desenvolver PROJETOS para públicos e agentes sociais prioritários, em luta pela construção da cidadania;
III – promover a cultura, a formação profissional, técnica e ética de jovens, orientada para a paz, a cidadania, a defesa dos direitos humanos e da democracia;
IV – desenvolver a consciência social solidária com a juventude, facilitar a criação de mecanismos de participação e promover a defesa dos direitos humanos concernentes à juventude;
V – organizar experiências e contribuir com as ações centradas na transformação social e na redefinição do papel do jovem na sociedade;
VI – defender e promover do desenvolvimento sustentável, o combate à pobreza e contribuir para a formulação de políticas públicas que facilitem a inserção do jovem no mercado de trabalh.
V - promover o voluntariado;
Art. 3º A XXXXXXXXXXXXX desenvolverá atividades de assessoria, consultoria, pesquisa, informação, formação, capacitação e difusão cultural, assegurados os seguintes direitos:
I – produzir, publicar, editar, expor e divulgar materiais impressos, fotográficos, audiovisuais, de gravação magnética ou ótica, programas de rádio, televisão e outros meios;
II – documentar e difundir todas as atividades com sua participação;
III – distribuir e vender materiais da própria entidade ou de terceiros;
IV - celebrar atos formais de parceria, convênios, contratos, termos de ajuste e outros instrumentos legais com organismos e entidades nacionais, estrangeiras e internacionais, públicas e privadas;

CAPÍTULO II
DOS SÓCIOS
Art. 4º Serão admitidos como sócios da XXXXXXXXXXX quaisquer pessoas, físicas ou jurídicas, independentemente de nacionalidade, cor, orientação sexual, profissão, credo político ou religioso, desde que aceitem e cumpram os requisitos e as finalidades estabelecidas pelo presente Estatuto.
Parágrafo Único – É expressamente vedada a admissão de pessoas cujas manifestações ou idéias atentem contra os direitos humanos, tornando nula a filiação.
Art. 5º Serão sócios fundadores os que assinarem a ata de fundação da entidade, sócios beneméritos e sócios indexdores os admitidos em Assembléia Geral, por indicação de outro sócio encaminhada à Diretoria.
Art. 6º São direitos do sócio fundador:
I – participar das Assembléias Gerais;
II – fazer proposições, votar e ser votado em assembléia geral;
III - fazer parte de organismos não permanentes da entidade - tais como grupos de trabalho, comissões e núcleos – e receber delegações e outorgas pela XXXXXXXXXXXXXX, desde que esteja em dia com suas obrigações estatutárias;
IV – solicitar, a qualquer tempo, esclarecimentos e informações sobre as atividades da XXXXXXXXXXXXXX e propor medidas que julgue de interesse para o aperfeiçoamento da entidade.
Parágrafo Único - Serão admitidos sócios beneméritos com direito a voz e voto e sócios indexdores com direito a voz nas instâncias da XXXXXXXXXXXXXX.
Art. 7º São deveres do sócio observar e acatar as disposições legais e estatutárias, bem como as deliberações regularmente tomadas pelas instâncias de deliberação.
Art. 8º Os sócios não responderão, solidária nem subsidiariamente, pelas obrigações ou compromissos assumidos pela XXXXXXXXXXXXX.
Parágrafo Único – Excetuam-se os sócios que venham a ser eleitos para compor a Diretoria Executiva da XXXXXXXXXXXXX.

CAPÍTULO III
DA ORGANIZAÇÃO
Seção I
Da Assembléia Geral
Art. 9º A Assembléia Geral, instância máxima de deliberação, é composta pelos sócios fundadores, sócios beneméritos e sócios indexdores quites com suas obrigações estatutárias.
Parágrafo Único - A Assembléia Geral poderá, respeitada a competência legal, tomar toda e qualquer decisão que vise resguardar os interesses da entidade.
Art. 10. Compete privativamente à Assembléia Geral:
I – eleger, a cada dois anos, por voto direto dos sócios quites com suas obrigações estatutárias, a Diretoria Executiva e o Diretor-Presidente da XXXXXXXXXXXXX;
II – nomear o conselho fiscal para analisar e emitir parecer sobre as contas da entidade;
II – apreciar e votar os relatórios, balanços e contas da Diretoria Executiva relativos ao exercício do ano anterior;
III – deliberar sobre propostas de mudança no Estatuto;
IV – destituir e substituir o Diretor-Presidente, a Diretoria Executiva e nomear Comissão Provisória até a eleição ordinária de novos membros;
V – decidir sobre a extinção da XXXXXXXXXXXXX e, neste caso, nomear os liqüidantes e analisar as respectivas contas;
VI – analisar os atos ad referendum da Diretoria Executiva.
VI – autorizar a alienação, venda ou permuta de bens imóveis;
Parágrafo 1º – As deliberações previstas nos incisos III, IV e V deverão atender ao quorum mínimo de 2/3 dos sócios quites com suas obrigações estatutárias.
Parágrafo 2º – Na situação prevista pelo inciso V, o respectivo patrimônio líquido será transferido a outra pessoa jurídica, preferencialmente com suas mesmas finalidades da XXXXXXXXXXXXX.
Art. 11. A Assembléia Geral reunir-se-á:
I – ordinariamente, 01 (uma) vez por ano, até o dia 30 (trinta) do mês de maio de cada ano;
II – extraordinariamente, convocada pelo Diretor-Presidente ou a requerimento da maioria da Diretoria Executiva ou ainda por no mínimo de 2/3 dos sócios quites com suas obrigações estatutárias.
Art. 12. A Assembléia Geral será convocada com uma antecedência mínima de 15 (quinze) dias, ressalvadas as disposições eleitorais e o regime de urgência, garantida a convocação de todos os sócios.
§ 1º - A Assembléia Geral será presidida pelo Diretor-Presidente ou membro da Diretoria Executiva, na escala de sucessão prevista neste Estatuto, ou, na ausência destes, por sócio segundo o critério de antigüidade.
§ 2º - As decisões serão lavradas em ata devidamente assinada pelos sócios presentes e membros da Diretoria Executiva.
Seção II
Do Conselho Consultivo
Art. 13 – Será constituído em assembléia geral um Conselho Consultivo composto de pessoas ilibadas, notórias e reconhecidas pela sociedade pela importância de suas ações.
Art. 14 – Compete ao Conselho Consultivo a formulação das políticas públicas da XXXXXXXXXXXXX e o apoio à consecução de seus PROJETOS.
Seção III
Da Presidência
Art. 15 – Compete ao Diretor-Presidente:
I – representar a XXXXXXXXXXXXX em juízo ou fora dele ou designar a representação a qualquer um dos membros da entidade;
II – delegar funções ou missões aos membros da Diretoria Executiva ou a qualquer sócio, desde que não abrangidas pela estrutura da própria Diretoria;
III – ordenar despesas, autorizar e efetuar pagamentos, em conjunto com o Diretor Financeiro;
IV – contratar e movimentar pessoal e serviços necessários ao desempenho das atividades técnicas e administrativas, com a aprovação do Diretor Financeiro.
V – assinar os instrumentos de parceria previstos no inciso IV do Art. 3º e conforme estabelecido no inciso IV do Art. 14;
VI – contrair compromissos, despesas ou obrigações em nome da Associação e assinar, em conjunto com o Diretor Financeiro, cheques, letras e quaisquer outros títulos decorrentes destes compromissos.
VII – expedir as ordens e executar as medidas indispensáveis ao cumprimento das resoluções da Diretoria, das Assembléias Gerais e do presente estatuto.
VIII – emanar atos ad referendum de interesse da XXXXXXXXXXXXX e no que exigir pronta solução.
IX – outras atribuições que venham a ser estabelecidas por resolução da diretoria.
Parágrafo Único – Para as hipóteses de movimentação bancária será sempre necessária a assinatura em conjunto do Diretor-Presidente com o Diretor Financeiro.
Seção IV
Da Diretoria Executiva
Art. 16. A Diretoria Executiva será composta pelo Diretor-Presidente da XXXXXXXXXXXXX, um Vice-Presidente, um Secretário-Executivo e um Diretor Financeiro.
§ 1º Poderão ser nomeados, extraordinariamente, Diretores Técnicos para compor a Diretoria, de maneira a suprir eventuais necessidades decorrentes das linhas de ação do Plano de Trabalho Anual.
2º A Diretoria Executiva contará com uma estrutura técnico-administrativa e financeira para cumprimento dos objetivos institucionais da XXXXXXXXXXXXX.
§ 3º No caso de impedimento do Diretor-Presidente ou vacância deste cargo, caberá ao Vice-Presidente substituí-lo ou sucedê-lo, respectivamente.
§ 4º Serão nomeados 2 (dois) suplentes para suceder aos membros da Diretoria Executiva em caso de vacância.
§ 5º A Diretoria é eleita a cada 2 anos por voto dos sócios quites com suas obrigações estatutárias, em votação por chapas, facultada a reeleição de seus membros.
Art. 17. Compete à Diretoria Executiva:
I - definir políticas e estratégias de atuação da XXXXXXXXXXXXX e deliberar sobre o Plano de Trabalho;
II – regulamentar os processos disciplinares e administrativos da entidade, que poderão consolidar-se em regimento interno;
I – implementar a gestão executiva da XXXXXXXXXXXXX;
IV - examinar convênios, contratos, empréstimos e acordos com outras instituições públicas ou privadas, nacionais, estrangeiras ou internacionais, após análise e emissão de parecer individual por um de seus membros;
V - instaurar auditorias, sindicâncias e processos;
VI – analisar e deliberar sobre atos ad referendum praticados pelo Diretor-Presidente da XXXXXXXXXXXXX;
VII – nomear comissão de ética;
VIIII – receber e deliberar sobre as representações encaminhadas pelos sócios;
IX – regulamentar as disposições deste estatuto;
X – decidir sobre os casos omissos do presente estatuto.
XI – responsabilizar-se pelos atos e obrigações assumidas em decorrência do exercício de suas funções;
XII – apresentar o Relatório, o Balanço e as Contas Anuais ao Conselho Fiscal e, consecutivamente, à Assembléia Geral Ordinária;
Art. 18. A Diretoria Executiva reunir-se-á a partir de convocação do Diretor-Presidente ou auto-convocação de seus membros para apreciar pauta definida.
§ 1º - As reuniões serão presididas pelo Diretor-Presidente ou, no impedimento do mesmo, pelo Vice-Presidente, Secretário Executivo ou pelo Diretor Financeiro, nesta ordem.
§ 2º - As decisões serão tomadas por maioria simples dos votos.

CAPÍTULO IV
DO PATRIMÔNIO E DA RENDA
Art. 19. O patrimônio da XXXXXXXXXXXXX será constituído por:
I – mensalidades e anuidades, pagas por todos os sócios.
II - doações e legados subsequentes recebidos de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado, nacionais, estrangeiras ou internacionais;
III – entre outros, quaisquer bens e direitos que venha a adquirir, além dos rendimentos gerados por suas atividades e propriedades, inclusive marcas e patentes.
IV – remunerações que receber por serviços prestados;
III – rendas ou subvenções públicas;
V – Juros bancários ou receitas eventuais;
VI – outras que vierem a ser estipuladas.
Parágrafo Único - A alienação de bens ou parcela do patrimônio é condicionada à aprovação prévia pela Assembléia Geral.
Art. 20. Todos os recursos obtidos pela XXXXXXXXXXXXX serão aplicados na manutenção e no desenvolvimento de suas finalidades.
§ 1º XXXXXXXXXXXXX poderá destinar um percentual de até 10% (dez por cento) dos recursos captados com parcerias, contratos e convênios para o seu próprio reinvestimento, assim como pelo pagamento efetuado aos técnicos contratados para a prestação de serviços.
§ 2º O percentual de retenção poderá ser alterado pela Assembléia Geral, respeitado sempre o teto máximo de 10% (dez por cento).
CAPÍTULO IV
DA ADMINISTRAÇÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS
Art. 21. A administração da XXXXXXXXXXXXX respeitará os princípios da probidade, legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade, economicidade e eficiência, de maneira a garantir a boa gestão de seus recursos e coibir a obtenção, de forma individual ou coletiva, de vantagens em decorrência da participação no respectivo processo decisório.
Art. 22. A gestão administrativa observará as normas de prestação de contas segundo os princípios fundamentais de contabilidade e das Normas Brasileiras de Contabilidade, e em especial conforme determina o parágrafo único do art. 70 da Constituição Federal.

15 junho 2013

Ação Sustentável na Serra do Gandarela

Localizada em meio a Serra do Curral e a Serra do Caraça, há 40 km de Belo Horizonte – MG, a Serra do Gandarela envolve os municípios de Caeté, Barão de Cocais, Santa Bárbara, João Monlevade e Ipatinga, além disso, abriga uma ampla biodiversidade composta por biomas de Mata Atlântica, vegetação rupestre e cangas.


Há 25 anos em Belo Horizonte – MG, a flora Savassi Ikebana Flores está atenta aos exageros ambientais que a Serra do Gandarela tem suportado: desmatamentos e atividades mineradas constantes; por isso, está difundindo a campanha “PLANTE UMA ÁRVORE” no Gandarela. Pois, o avanço da mineração local irá comprometer os mananciais que compõe o Gandarela: Rio Piracicaba e Doce, Bacias do Rio das Velhas e São Francisco

A Floricultura Ikebana Flores quer colaborar com a diminuição das áreas mais devastadas do Gandarela, através plantio de mudas endêmicas da região. Os blogueiros ou sites que propagarem a campanha "PLANTE UMA ÁRVORE" terão uma muda plantada em seu nome no Gandarela. 

“Todo post a respeito da campanha se transformará em uma muda plantada no Gandarela”!


Para incitar novas praticas de plantio, a Floricultura Ikebana Flores está oferecendo gratuitamente mudas nativas do cerrado: ipê amarelo, ipê branco, sucupira, pata de vaca, tamarino, peroba, entre outras. Basta comparecer a flora de segunda a sexta-feira, no horário de 10h00 as 19h00 (Av. Getúlio Vargas, 1697 – Savassi. Belo Horizonte-MG. Telefone: (31) 3227-4802).

Participe! A Serra do Gandarela depende de você.

*Crédito:
Texto: Thaís Alessandra do Coletivo Cirandar

*Fotos: Luciano Lima

13 junho 2013

A Técnica do Papel Machê

Modelo de projeto feito a pedido da Secretaria de Cultura e Turismo de Valença - RJ, mas ainda não iniciado

Oficina: A técnica do papel machê
(Reaproveitamento de sucata)

Papel Machê - A Origem da Técnica

Papel machê (palavra originada do francês papier mâché, que significa papel picado, amassado e esmagado) é uma massa feita com papel picado embebido na água, coado e depois misturado com cola e gesso. Com esta massa é possível moldar objetos em diferentes formatos, utilitários ou decorativos.
A origem da técnica de papel machê é milenar e teria surgido na China. Originalmente conhecida com o nome francês Papier Machê que significa papel esmagado, picado.

Brasileiramente chamado de papel machê, teve seu auge entre os séculos XVI e XIX, contudo, os primeiros sinais de seu uso dotam do termo da invenção do papel, na China, no século II A.C.

Os chineses faziam acessórios de guerra, como capacetes e vasilhas para armazenar líquidos. Desde então, a civilização oriental é a que mais se dedica ao uso da técnica de papel machê, seja produzindo utensílios domésticos ou objetos de decoração.

A porta de entrada para o Ocidente foi a Europa, que se encantou com as peças. Conta à
história que a França foi o primeiro país a dar um valor artístico e refinado à técnica. Daí para
ganhar o mundo e cair no gosto de toda gente foi apenas questão de tempo.

Na América, imigrantes ingleses inauguram, em 1850, a primeira fábrica de artigos de papel machê em solo americano. De porta-baralho a biombos, esta técnica mágica já mostrava que não conhecia limites sua utilização. Na Itália em Veneza, a massa era utilizada na execução das famosas máscaras do carnaval. Na Noruega foi construída uma igreja toda feita em papel machê, e que durou 37 anos em ótimas condições, tendo sido demolida posteriormente.

Há uma variação da técnica de papel machê que é menos conhecida, mas que surgiu na mesma época e foi mais difundida em alguns países do que sua forma clássica. Trata-se do Papier Collèe, ou seja, papel colado, que recebe também as dominações de papelagem ou papietagem. Esta variação consiste na aplicação de camadas superpostas de folhas de papel, coladas entre si. Assim eram feitas as belas e até hoje famosas máscaras de carnaval de Veneza, citadas a cima.

Esta técnica em cobrir objetos e moldes das mais diversas formas, com tiras de papel molhadas em cola. Poderão utilizar-se como moldes, balões (para fazer máscaras); estruturas de papelão, rede ou arame (para fazer, por exemplo, animais ou figuras humanas); e esta poderá também ser uma boa forma de reutilizar embalagens já usadas (para fazer, por exemplo, recipientes para guardar material), dando-lhes um acabamento com mais expressão e cor.

Mascaras, Fantoches
e Objetos Decorativos de papel machê

As Mascaras, Fantoches e Objetos Decorativos são criações únicas, versáteis e com um custo de produção muito barato.

Com este técnica você pode criar vários formatos e tamanhos, com qualquer especificação, ou detalhe que queira aplicar. A dica para máscaras é que se use um balão para moldar, produzindo um material que tem grandes chances de ser comercializado para as companhias de teatro ou em épocas de comemorações festivas.
Para criar máscaras inspire-se nas máscaras do famoso carnaval de Veneza, na Itália, e faça peças maravilhosas.

Passo a passo na criação de mascaras:
Faça a mistura de 1 xícara de cola com 3 xícaras de água (se muito grande, ou com detalhes variados, vai precisar de mais deste material).
Com uma colher de pau, mexa bem, para que fique totalmente mesclado.
Numa das tigelas, coloque o papel toalha, já picado em pequenos pedaços, sendo que poderá desfiá-lo com uma tesoura também, para agilizar o processo.
Adicione um pouco da pasta de cola, somente o suficiente para trabalhar o molde. O mais indicado é usar material que ocupe apenas uma xícara da pasta de cola, assim poderá sobrar massa para trabalhar mais detalhes na máscara (como detalhes tortuosos e pontiagudos no topo).
Encha o balão de ar, o suficiente para equiparar-se ao tamanho de uma cabeça. Arranje um local onde possa prender o balão (use a fita adesiva para fixá-lo), de forma confortável o suficiente para que possa trabalhar o molde.
Faça o revestimento de todo o balão com a massa de papel machê, deixando espaço perto do bico.
Na outra tigela, rasgue as folhas de jornal em pequenas tiras, de pouco mais de 2 centímetros. Mergulhe-os em outra parte de massa de cola, e envolva todo o balão.
Atenção com o modo como aplica as camadas. Quanto mais lisa ficarem, menos trabalho terá no acabamento.
Faça duas camadas completas. Deixe secar até ao dia seguinte. Quando então, passarão outras duas camadas. Deixe que sequem completamente. Repita o processo com a massa de papel toalha, e novamente espere secar.
Depois de seca, estoure o balão, e remova-a. Crie as características faciais, esculpindo os ouvidos, as sobrancelhas, a boca e o nariz. Faça esses detalhes faciais com a massa de papel toalha (que tem espessura similar à argila), aplicando diretamente no machê endurecido.
Coloque para secar (outra vez!).
Em seguida, prepare-a para o uso. Com uma faca artesanal, ou estilete, corte uma abertura no fundo, para permitir que a máscara possa ajustar à cabeça. Um corte mais largo na parte de trás vai ajudar neste processo.
Ou poderá cortar o molde do rosto. Com um lápis, desenhe os olhos, e corte as aberturas. Lixe, para aparar as arestas e deixar a superfície bem plana. Pinte-a com tinta acrílica e decore como preferir.
Sugestão: se cortar o molde do rosto, uma boa maneira de criar uma máscara bonita é rodear toda a extremidade com uma linha fina de glitter preto, com espessura de um centímetro, mais ou menos. Em seguida, cubra toda a extensão desta linha com lantejoulas, de forma intercalada. Se quiser, poderá colar cabelo falso, e outros ornamentos. Basta dar asas à imaginação para criar uma máscara belíssima.

Dica: Somente depois da peça bem seca é que se pode pensar no revestimento, que pode ser feito utilizando qualquer das técnicas que se conhece, desde o revestimento simples com papel ou tecido, até técnicas de decoupage ou outras que se domine. Após então é feito o arremate da peça com uma ou duas camadas e verniz apropriado para a técnica de revestimento utilizada.

Uma dica: os moldes indicados permitem criar uma estrutura de base. No entanto, se quiser obter formas que saem fora desta estrutura (uma asa para um recipiente, um nariz para uma máscara), recorte um cartão dando-lhe a forma desejada e prenda-o com fita adesiva o molde de base. Depois é só cobrir bem com as tiras de papel.
Dica: adicionar óleo de linhaça na massa de cola cria um material mais durável e resistente aos fungos e ao mofo.
Para a criação de Fantoches e Objetos decorativos usa-se o mesmo método acima.




Cronograma da Oficina
1º Mês
Confecção de Mascaras

2ª feira
3ª feira
4ª feira
5ª feira
Noções da técnica e criatividade
X
X
X
X
Montagem da estrutura
X
Colagem
X

Pintura
X

Acabamento
X

2º Mês
Confecção de Fantoches

2ª feira
3ª feira
4ª feira
5ª feira
Montagem da estrutura
X
Colagem
X

Pintura
X

Acabamento
X

3º Mês
Confecção de Objetos Decorativos

2ª feira
3ª feira
4ª feira
5ª feira
Montagem da estrutura

X
Colagem
X
Pintura
X
Acabamento
X

Ao fim da oficina poderá ser feita uma exposição com todos os trabalhos realizados.
Materiais necessários:
Cola de farinha de trigo
Duas tigelas grandes
Toalhas de papel
Tesoura
Estilete
Caixas de papelão e de sapato
Garrafas pet
Balão redondo
Fita adesiva
Jornais velhos
Tinta acrílica
Glitter, lantejoulas, penas, ou qualquer objeto com o qual queira decorar
Óleo de linhaça
Tecido
Pincel
Tinta
Uma panela média
Uma colher de pau

Massa corrida, caso queiram dar mais alisamento a peça

Publico alvo:
Professores, Educadores e pessoas da comunidade, que poderão trabalhar essa técnica com os alunos e, ou usá-la na complementação da renda familiar.

Carga horária:
32 horas

Preço da hora aula:
R$ 

Dados do educador da oficina
Victor Sant’Anna Gomez
Rua:  Valença - RJ
Tel: 
Cel:

Exeriência:
Artista plástico, Ator e Educador social.
Trabalhou com crianças em situação de risco social pela prefeitura do Rio de Janeiro como terceirizado (1998-1999).
Trabalhou com o Projeto Comunidade solidária em Paciência, com adolescentes dependentes químicos (1999).
Fundador da ONG CADECS - Centro de Assessoria e Desenvolvimento Cultural e Social - Seropédica (2000-2002).
Fundador da ONG CECI – Centro Cultural Criança Cidadã – Seropédica (2002-2005).
Coordenador do curso de informática das ONGs CADECS e CECI em parceria com o CDI (Comitê para Democratização da Informática), durante os anos de 2000/2005.
No município de Valença, ajudou a realizar o Projeto SOS Serra dos Mascates desde 2008.
Coautor do Projeto Crianças da Mata Atlântica nas Serras de Valença (2011).
Participou como convidado do evento de meio ambiente TEDx-Amazônia, representando a cidade de Valença (2010).
Em 2011 recebeu o Título de Cidadão Valenciano pela Prefeitura Municipal, pela imensa contribuição e relevantes serviços prestados ao município de Valença.

victorsgomez@gmail.com

Facebook:
https://www.facebook.com/victorsgomez



10 junho 2013

Mais 20 Frases sobre Cidadania, Voluntariado, Projetos Sociais

Mais 20 frases minhas, sobre Cidadania, Voluntariado, Projetos Sociais e outras.

1- Arrume sempre um tempinho para contar histórias para seus filhos, no futuro eles agradecerão muito a você. Contar histórias preserva nossa cultura, conscientiza e estimula o crescimento pessoal de quem ouve.


2- Nossas atitudes marcam nossa vida, não tem como esconder as coisas ruins que fazemos, somos responsáveis por tudo que fazemos. As máscaras sempre caem, é impossível mentir para sempre, mesmo que você esteja mentindo somente para você. Um dia a verdade aparece, é só esperar. Um dia nossa pior face será exposta, por isso tente não mentir, seja o melhor que puder ser, seja sempre a favor do bem, que só assim você será realmente feliz.


3- Alegre por poder ser voluntário e ajudar a quem precisa.


4- Nada de ser feliz sem compromisso, meu compromisso é com o voluntariado.


5- Flor é luz! Coloque luz na sua vida e na de quem você gosta.


6- Não creio que a vida seja um mero esperar pelo que estar por vir, por isso não deixo de trabalhar e me empenhar seriamente por aquilo que desejo, assim tudo se concretiza mais rapidamente, principalmente se adicionamos o amor ao próximo em boa parte do que fazemos.

7- Como já disse aqui algumas vezes, ser voluntário não dói, pelo contrário, aquece a alma, alegra o espírito, e mil outras coisas. Risos.


8- Fotografia, mundo abstrato que surge no olho de quem vê. Cada foto tem um olhar, olhar de quem clica, que pode ser o melhor, o pior, ou apenas o olhar de quem quer guardar para si um instante mágico, que nunca mais irá se repetir.


9- O tempo passa, mas muitos não entendem, esbravejar grandeza não vale nada, o importante é o que você faz de bom para seu semelhante.


10- Não existe essa coisa de estar com a pessoa errada e por isso você não vai pra frente. O que existe é você estar errado e insistir que a culpa é do outro.Sem essa de bruxaria, pra cima de mim não cola.


11- Cidadania é respeitar o direito dos outros e ser respeitado nos seus.


12- Uma ONG não é para ninguém ficar rico, é sim um trabalho de cidadania e amor ao próximo. Então trabalhe com transparência e dedicação e tudo isso retornará para você em forma de sucesso.


13-Ajudar a preservar o meio ambiente é dever de todo cidadão, só assim estaremos fazendo a nossa parte em prol do planeta e de todos nós.


14- Quem nunca teve pesamentos ruins? Mas sempre dá tempo de começar de novo e viver feliz.


15- Acho que tudo que é para o mal, mais hora, menos hora, acaba dando errado.


16- Pensando ser incapaz de fazer qualquer coisa por sentir-se muito fraco, insistiu, insistiu, até que num relance consegui. Quem verdadeiramente se esforça, eleva o espirito e consegue, até o que todos enxergavam como impossível.


17- Meus escritos: Melancólicos lugares dos confins da mente humana ou apenas solidão. 


18- Nada é impossível para quem quer realmente alcançar um objetivo e levá-lo firmemente adiante.


19- Feliz daquele que compreende a alma humana e busca sempre amar cada vez mais.


20- Todo dia o sol brilha, mesmo que não o vejamos, ele está presente. Uma benção de Deus para todos os seres do planeta Terra. Espero que um dia todos possam ser como o sol, sempre brilhando e só fazendo o bem.

Aqui você encontra mais Frases de Victor S. Gomez

Facebook: https://www.facebook.com/victorsgomez

Youtube: https://www.youtube.com/user/victorsgomez

Twitter: https://twitter.com/victorsgomez

05 junho 2013

Tem algum projeto em Mente?

"Pensando ser incapaz de fazer qualquer coisa por sentir-se muito fraco, insistiu, insistiu, até que num relance consegui. Quem verdadeiramente se esforça, eleva o espirito e consegue, até o que todos enxergavam como impossível."

Nada é impossível para quem quer realmente alcançar um objetivo e levá-lo firmemente adiante.

Quem tem algum projeto em mente deve agir assim, com perseverança e amor ao que quer fazer, somente assim poderá alcançar o que almeja.

Nunca disse aqui que seria fácil criar uma ONG, como tudo na vida, "nada vem de mão beijada". Tudo que se consegue é uma luta atras da outra, mas quando conseguimos o sabor da vitoria é bem melhor. 


Temos sempre que lutar muito mesmo, para que possamos dar mais valor ao que conquistamos e agradecer sempre, pois ganhando ou perdendo, sabermos que nos esforçamos e que o objetivo que pretendemos está cada vez mais próximo.

Por isso vale sempre lembrar que é preciso estudar, se capacitar cada vez mais para que se possa fazer sempre o melhor para todos e para você mesmo.

Por isso procure fazer todos os cursos que puder: Elaboração de Projetos Sociais, Captação de Recursos e Gerenciamento de ONGs.

Dessa forma você estará mais embasado e terá mais facilidade em lidar com a luta que se apresenta e que certamente sairá vencedor.

03 junho 2013

Alguns Pontos Fundamentais para Criar uma ONG

Quando fundamos uma ONG temos que ter em mente a organização, pois nada funciona sem ela.

Capacitação e organização são pontos importantes para aqueles que querem ver seu projeto dar certo. Outro ponto importante que também não devemos esquecer é a transparência. Ela é fundamental para o bom diálogo com a comunidade. Sem ela você perde credibilidade.

1.    Comece pela organização, tente organizar-se primeiro.

Organize seu tempo, veja o que é mais importante e comece primeiro. Organize seus compromissos, tarefas e atividades, você vai precisar de tempo para se dedicar ao seu novo projeto.

2.    É super importante a criação de um código de ética. Ele é um regulamento interno que poderá evitar muitos transtornos e reuniões de diretoria desnecessárias.

A  wikipedia define o código de ética assim:

"Código de Ética é um documento de texto com diversas diretrizes que orientam as pessoas quanto às suas posturas e atitudes ideais, moralmente aceitas ou toleradas pela sociedade com um todo, enquadrando os participantes a uma conduta politicamente correta e em linha com a boa imagem que a entidade ou a profissão quer angariar, inclusive incentivando à voluntariedade e à humanização destas pessoas e que, em vista da criação de algumas atividades profissionais, é redigido, analisado e aprovado pela sua entidade de classe, organização ou governo competente, de acordo com as atribuições da atividade desempenhada, de forma que ela venha a se adequar aos interesseslutas ou anseios da comunidade beneficiada pelos serviços que serão oferecidos pelo profissional sobre o qual o código tem efeito."


3.    Participando o tempo todo e delegando funções, você agiliza o trabalho e faz com que todos participem. Alguns dirigentes têm como norma centralizar tudo, isso não é muito bom, pois algumas pessoas podem entender isso como falta de confiança ou como uma forma de ter mais controle sobre todos.
"O objetivo primário da delegação é conseguir que o trabalho seja feito por outra pessoa. Não apenas tarefas simples como ler instruções e girar uma alavanca, mas também tomada de decisão e mudanças que dependem de novas informações. Com delegação, seu pessoal tem a autoridade para reagir a situações sem ter que consultá-lo a todo instante."
http://www.malima.com.br/

4.    Quando o assunto for deveras relevante convoque sempre a Assembléia Geral. Tenha certeza absoluta da importância de uma convocação de uma Assembléia Geral, evite reuniões exaustivas somente para resolver pequenos problemas.


5.    Nunca fira o código de ética da ONG.
Procure definir bem o código de ética, ele deve ser constituído de elementos que não constam do estatuto, mas que devem der obedecidos por todos. O código de ética serve para que tudo que foi conversado e decidido no início da fundação da ONG seja respeitado.

6.    Você e todos os componentes da ONG devem ser sempre contra qualquer tipo de discriminação. É necessário que esse ponto esteja bem claro e faça parte do estatuto da ONG.

7.    Busque a implementação de parcerias, são essas parcerias que darão credibilidade ao seu trabalho e sustentação ao seu trabalho.
Seja claro com seu parceiro e o retorno sempre será recompensado.

8.    Um planejamento a longo prazo faz com que seus projetos sociais sejam melhor elaborados, nunca tenha pressa. Com tempo para planejar você pode desenvolver melhor seu projeto, para que ele seja mais notado por futuros parceiros.


9.    A transparência deve ser sempre seu objetivo, lembre-se que a ONG que você criou pertence a comunidade, ela não é um bem pessoal. Quando você se afasta de uma ONG, você não a leva debaixo do braço. Lembre-se ela pertence a comunidade na qual foi criada.

10.    Trabalhe incessantemente, mas sempre focado nos objetivos da instituição. Sem perder o foco, tudo flui mais rápida e corretamente. Devemos lembrar sempre quais são nossos objetivos e nunca nos desviarmos deles.

11.    Não desista, insista, não pare pelo caminho. Os tropeços fazem parte do caminho, não deixe que eles se tornem obstáculos maiores do que são. Você é capaz e sabe disso.

Passo a passo de como criar uma ONG