Pesquise Modelo de Projeto Social

28 novembro 2009

Constantin Stanislavski

Um dos maiores diretores e atores do século XX. Criador do método de interpretação Stanislavski, usado nas escolas de teatro de todo o mundo. Diretor, ator e crítico teatral russo nascido em Moscou. De família rica, filho de um industrial, desde jovem gostava de teatro, balé e ópera. Começou na vida artística muito cedo, com apenas quatorze anos fundou o Teatro de Arte de Moscou, juntamente com o autor e diretor Vladimir Nemirovitch-Danchenko. Foi diretor do Estúdio de Ópera do Bolshoi (1918). Conhecido como Stanislavski, criou em 1922 o estilo de encenação que chamou memória afetiva e que logo após divulgou numa tournée internacional. Após sofrer um ataque cardíaco (1928), deixou de atuar e se dedicou a dirigir e formar atores e diretores.

Livros de Constantin Stanislavski:
STANISLAVSKI, Constantin. Minha Vida na Arte. Tradução de Paulo Bezerra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.
A Preparação do Ator. Tradução: Pontes de Paula Lima. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.
A Construção da Personagem. Tradução: Pontes de Paula Lima. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.
A Criação de um Papel. Tradução: Pontes de Paula Lima. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

25 novembro 2009

Aqui se Faz, Aqui se Paga

O primeiro vídeo mostra o que acontece, quando você pratica atos criminosos contra a natureza. No segundo, um vídeo feito em 2006, profetiza as catástrofes provocadas pelas agressões ao meio ambiente. Aqui se faz, aqui se paga.



23 novembro 2009

Fundação Cultural e Filantrópica Léa Pentagna

Rua Vito Pentagna, 213 - Benfica Valença-RJ /CGC 28467306/0001-71

PROGRAMAÇÃO DE DEZEMBRO

CASA LÉA PENTAGNA

Palestra da ONG CUIDAR DA VIDA – Instituto para Inclusão Social:“Coaching: Treinando seu filho para uma vida de sucesso”
Palestrante: Dr. Mário Sérgio F. da Rocha – Diretor Executivo da ONG CUIDAR DA VIDA, Psicólogo, Pedagogo e Escritor.

Data: 02 de dezembro de 2009
Horário: 19h e 30min
Entrada Franca

  • Exposição “Casa Viva” – Auxiliadora Bastos e convidados
“Casa Viva” é uma exposição que tem por objetivo divulgar a arte e a criatividade de seus participantes, mantendo a Casa “viva” como na época de sua proprietária Léa Pentagna.

Expositores:

Auxiliadora Bastos e alunas, Vilma Bruno, Elisa Barros e alunas, Maria Rosa Dantas, Buffet Dirce Dantas, Arte de Unir, Dani Porcelanas, Doce Lar, Levi Móveis, DigiCopy, Akakia, O Boticário, Floricultura Luzane Decorações, La Maison.

Abertura: Chá Beneficente
Data: 04 de dezembro de 2009
Horário: 17h e 30min
Valor: R$ 10,00
Venda de ingressos antecipados na Casa Léa Pentagna

Período de visitação: de 05 a 13 de dezembro de 2009
Horário: de terça a quinta-feira, de 14h às 18h
sexta, sábado e domingo, de 09h às 12h e 14h às 18h
Entrada Franca

  • Almoço da ANIBRA – Associação Cultural Esportiva Nipo-Brasileira de Valença / Rio das Flores / Região
Em benefício da Fundação Léa Pentagna
Data: 06 de dezembro de 2009
Horário: a partir de 12h
Cardápio: Yakisoba
Valor: R$ 10,00 (bebidas e sobremesas à parte)
Venda de ingressos antecipados na Casa Léa Pentagna

  • Exposição de Artes Plásticas
Expositor: Jonas Brandão e alunos
Período: de 18 a 22 de dezembro de 2009
Horário: de 14h às 18h
Entrada Franca

22 novembro 2009

Trabalho Voluntário

"O trabalho voluntário entre jovens cresceu de 7% para 34% nos últimos cinco anos no país. É o que mostra a pesquisa realizada e publicada no livro Doações e trabalho voluntário no Brasil. Quais são os benefícios dessa ação e como se sentem os praticantes é o que você descobre com a repórter Bruna Stefanelli."

Ao nos preocuparmos com a sorte dos outros, ao nos mobilizarmos por causas de interesse social e comunitário, estabelecemos laços de solidariedade e confiança mútua que nos protegem em tempos de crise, que tornam a sociedade mais unida e fazem de cada um de nós um ser humano melhor. Pelos benefícios que traz para o próprio voluntário, para as pessoas com quem o voluntário se relaciona, para a comunidade e a sociedade como um todo, é que o voluntariado merece ser valorizado, apoiado, divulgado e fortalecido.
Este é o objetivo do Portal do Voluntário.
Seja útil à alguém e a você mesmo. Faça trabalho voluntário, você só tem a ganhar com isso.

21 novembro 2009

O teu riso

Mestre das palavras, Pablo Neruda nasceu em Parral, em 14 de julho de 1904. Autor de vários livros o poeta chileno conquistou o Nobel de Literatura em 1971. Ricardo Eliezer Neftalí adotou o pseudônimo de Pablo Neruda inspirado no escritor checo Jan Neruda. Foi candidato a presidência do Chile, mas desistiu em favor de Salvador Allende, pois acreditava em uma América Latina mais justa.

fonte: Deslimites do Ser e pt.wikipedia.org

Tira-me o pão, se quiseres,
tira-me o ar, mas não
me tires o teu riso.

Não me tires a rosa,
a lança que desfolhas,
a água que de súbito
brota da tua alegria,
a repentina onda
de prata que em ti nasce.

A minha luta é dura e regresso
com os olhos cansados
às vezes por ver
que a terra não muda,
mas ao entrar teu riso
sobe ao céu a procurar-me
e abre-me todas
as portas da vida.

Meu amor, nos momentos
mais escuros solta
o teu riso e se de súbito
vires que o meu sangue mancha
as pedras da rua,
ri, porque o teu riso
será para as minhas mãos
como uma espada fresca.

À beira do mar, no outono,
teu riso deve erguer
sua cascata de espuma,
e na primavera, amor,
quero teu riso como
a flor que esperava,
a flor azul, a rosa
da minha pátria sonora.

Ri-te da noite,
do dia, da lua,
ri-te das ruas
tortas da ilha,
ri-te deste grosseiro
rapaz que te ama,
mas quando abro
os olhos e os fecho,
quando meus passos vão,
quando voltam meus passos,
nega-me o pão, o ar,
a luz, a primavera,
mas nunca o teu riso,
porque então morreria.

Pablo Neruda

19 novembro 2009

Consultoria

Esse email veio de Elvana Ayres Medeiros.

"Bom dia Victor,
Meu nome é Elvana Ayres, sou nutricionista. Moro em Porto Velho-RO.
Estive navegando no seu blog e encontrei um modelo bem legal de um projeto de ONG.
Estou planejando montar uma ONG de caráter social e cultural na minha igreja, mas estou com algumas dúvidas.
No modelo que vi no seu blog tem um item chamado EXPERIÊNCIA PRÉVIA.
Então, gostaria de saber se o projeto foi criado após o inicio das atividades da ONG.
A quem é direcionado o projeto? E o estatuto? É criado antes do projeto?
Se puder esclarecer agradeço.
Atenciosamente,
Elvana Ayres"

Olá amiga Elvana
Nesse caso o projeto foi feito anteriormente a criação da ONG. É interessante que se crie o projeto antes/ou em paralelo com a montagem da instituição. Mostra que você está mesmo empenhada em um trabalho sério.
Acho que quando você pergunta “a quem é endereçado o projeto", está querendo saber a qual público alvo ele se direciona. Depende do que você está querendo fazer, ou seja, se a instituição trabalhará na área de cultura, saúde, etc.
Como já disse o estatuto pode ser criado antes ou depois de já ter um projeto em andamento.
Caso tenha alguma dúvida, entre em contato comigo.
Abraços,
Victor S. Gomez

17 novembro 2009

Venha Participar do Evento 5º. Causos do ECA

Dia 24 de novembro, às 18h30, na Sala São Paulo, em São Paulo.

O evento terá apresentação musical de Toni Garrido e Orquestra Alegro, sob regência do maestro Renato Misiuk. Haverá também a leitura dramática de um dos causos finalistas sob a direção de Vladimir Capella.

Todos os convidados receberão um exemplar do livro Causos do ECA: sua história é a nossa história.

Confirme sua presença até o dia 19 de novembro pelo telefone (11)
2894-8561 ou pelo endereço www.pro-menino.org.br

Programação

18h30 – Coquetel
20h00 – Abertura
20h20 – Leitura dramática de um causo por Selma Egrei
20h30 – Premiação
21h20 – Lançamento do livro Causos do ECA: sua história é a nossa história
21h05 – Apresentação musical com Toni Garrido e Orquestra Alegro, sob regência do maestro Renato Misiuk
21h50 – Encerramento

16 novembro 2009

Marcha Mundial pela Paz e pela Não-Violência


Um exemplo a ser seguido. Confirme sua adesão na Marcha Mundial pela paz e pela Não Violência. Milhões de pessoas em vários países já estão participando dessa manifestação mundial. Criada pela ONG Mundo sem Guerras, a marcha tem a intenção de alertar a todos sobre o perigos de confrontos nucleares. Que tal participarmos desse evento, que pretende dar um basta a violência.

AS PROPOSTAS DA MARCHA MUNDIAL

Para evitar a catástrofe atômica futura, devemos superar a violência hoje, exigindo:
• o desarmamento nuclear em nível mundial;
• a retirada imediata das tropas invasoras dos territórios ocupados;
• a redução progressiva e proporcional do armamento convencional;
• a assinatura de tratados de não agressão entre países; e
• a renúncia dos governos a utilizar as guerras como meio para resolver conflitos.


fonte: Banco do Planeta

14 novembro 2009

Reciclar Alimentos

Reportagem da TV Record sobre reciclagem de alimentos. O meio ambiente precisa de nossa ajuda, façamos cada um o que nos cabe e já estaremos contribuíndo. Diga não ao desperdício, o planeta pede ajuda e o momento é agora. Não perca o bonde da história, faça você a diferença.

fonte: Blog Antenada e Reciclada



13 novembro 2009

Ajude a Acabar com o Escândalo da Fome

Essa é uma mensagem da AVAAZ.org
Colabore com esse evento assinando em favor de milhões de pessoas.

1 em cada 6 pessoas do mundo passam fome todos os dias. Com a crise econômica global a situação só se agravou

Em poucos dias governantes irão se encontrar na Cúpula sobre Alimentação em Roma. Porém, a França, Alemanha, Reino Unido, Itália e Japão estão voltando atrás nos USD$20 bilhões prometidos no começo do ano para combate à fome.

Milhões de vidas dependem deste financiamento, por isto não podemos deixar eles esquecerem a sua promessa. Assine a petição abaixo, ela será divulgada em uma ação espetacular no Coliseu em Roma na véspera da Cúpula:

http://www.avaaz.org/po/world_hunger_pledges

fonte: AVAAZ.org

11 novembro 2009

Como Elaborar um Projeto

O artigo que estou postando hoje foi publicado no Portal do Meio Ambiente (REBIA), criado pelo talentoso Jornalista Vilmar S. D. Berna, do qual ele é Editor. O artigo é de Leandro Lamas Valarelli ( leandro@rits.org.br Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. ), que publico aqui com autorização por email de Vilmar Berna.
O artigo mostra em detalhes, como elaborar um projeto social. Nele você tem como entender melhor todos os aspectos de um projeto, desde como conseguir doadores, até de como mostrar transparência no seu trabalho e clareza em suas idéias e objetivos.

"Por Leandro Lamas Valarelli ( leandro@rits.org.brEste endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. )
Estas dicas referem-se ao universo de fundações e agências de cooperação não governamentais, brasileiras ou internacionais. Em grande parte, baseiam-se na experiência de muitas organizações, assim como em depoimentos de dirigentes e responsáveis pela análise, seleção e aprovação de projetos naquelas instituições. Portanto, não são regras, mas pontos a serem observados. O importante é alertar que, além de um projeto consistente, é preciso informar-se sobre a instituição à qual vai solicitar apoio e apresentar suas idéias de modo claro e objetivo.

Algumas tendências gerais da cooperação internacional não governamental

Algumas tendências da cooperação internacional já são bastante conhecidas: redução global do volume de financiamentos para a América Latina e o Caribe; maior ênfase no apoio a projetos, reduzindo os chamados apoios institucionais. Mas existem algumas outras características das fundações e agências que vale a pena ter em conta quando se pensa na apresentação de projetos.

Várias fundações e agências têm, assim como as ongs que elas apoiam, passado por profundos processos de reorganização de estruturas e prioridades. Reestruturação, downsizing e profissionalização são termos que, cada vez mais, vêm fazendo parte do cotidiano destas organizações e do seu vocabulário. Estão sendo constantemente cobradas por seus conselhos, doadores e contribuintes quanto ao impacto de sua atuação própria e dos projetos e instituições que apoiam. As tendências que se verificam a partir desta dinâmica são:

Profissionalização dos quadros. Cada vez mais, as pessoas que trabalham nestas instituições conhecem bastante ou tiveram experiência sobre o "outro lado", o dos projetos e ongs.

Maior preocupação em focar a atuação, reduzindo o leque de temas e aspectos nos quais atuam e dão apoio, visando aumentar o seu impacto. Algumas instituições têm, inclusive, optado por fazer doações maiores a um número menor de organizações, de forma a aumentar o impacto de seus fundos.

Opções mais claras relativas ao tipo e ao tamanho das instituições que apoiam. Privilegiam organizações pequenas, com atuação local e capacidade inovadora. Outras têm optado por apoiar grupos maiores, regionais e nacionais com maior possibilidade de difundir experiências, opiniões e influenciar políticas públicas.

Estão se tornando mais pró-ativas e levando mais a sério seu papel na formulação de políticas públicas. Cada vez mais definem objetivos próprios e áreas nas quais querem investir. Assim, procuram organizações parceiras que possam levar adiante estes projetos, reduzindo o orçamento para atendimento a demandas.

Preocupação crescente com a sustentabilidade e a replicabilidade dos projetos e iniciativas. Isto leva à priorização de projetos que nascem e se desenvolvem apoiados em relações de parceria e colaboração entre várias organizações e projetos.

Priorização de projetos participativos, que envolvem o público alvo no desenho de um projeto: na definição do problema, na indicação das soluções e na execução das ações.

O que você deve saber antes de entrar em contato?


Tente se informar o máximo possível sobre a fundação ou agência, dedicando tempo à pesquisa e à preparação, antes de tentar entrar em contato com o possível doador.

Localize ou peça folders, publicações, orientações para envio de projetos. Visite a home page na Internet.

Confira as áreas programáticas da fundação. Verifique se você está incluído nas prioridades e se atende aos critérios da entidade. Veja a relação (se disponível) de projetos que eles já apoiaram e compare com o tipo de projeto que você desenvolve ou pretende implementar.

Cheque os procedimentos apontados pela entidade sobre como fazer contato. Algumas pedem uma carta inicial, curta e objetiva. Outras só estabelecem contato a partir do recebimento de projetos apresentados segundo roteiros, formulários e listas de documentos necessários, fornecidos pela entidade. Verifique se existe alguma exigência quanto ao projeto ter sido concebido e estruturado segundo algum método de planejamento específico.

Conheça a si mesmo e à sua organização. Assegure-se de que seu conselho tem clara sua missão. Seja capaz de definir por que vocês são diferentes e como podem resolver os problemas.

Escreva um documento conceitual e deixe-o na gaveta por uma semana. Depois, releia e mostre aos colegas e pergunte se o texto realmente está comunicando o que você está querendo dizer, de maneira honesta e direto ao ponto.

O que os doadores esperam sobre o modo de contato e de apresentação da proposta ?

Informe-se sobre com quem você deve falar: nome, cargo, função. A pior coisa é enviar cartas dirigidas a alguém que não está mais no cargo. Dirija-se diretamente à pessoa e acredite na sua capacidade profissional e inteligência. Siga suas recomendações e seja respeitoso com os procedimentos da entidade. Esforços de lobby, como 25 cartas de apoio de outras instituições, não funcionam.

Evite o uso de contatos pessoais diretos com o conselho da entidade, passando por cima do responsável pelo recebimento e avaliação de projetos. Não tente criar canais pessoais e informais, tais como convites para jantar, a não ser que proposto pela pessoa como um jantar de trabalho.

Prepare-se para a entrevista. Releia o material sobre a fundação ou agência e prepare-se para apresentar com clareza e objetividade sua organização e seu projeto. Focalize mais as soluções (e menos os problemas) que o projeto pretende oferecer. Evite os jargões e a falta de concisão.

Numa entrevista, garanta sempre a presença das pessoas que vão dirigir o projeto, e não apenas do responsável pela captação de recursos.

Jamais pergunte "Quanto devemos solicitar?". Tenha bem definidas as suas necessidades e seu orçamento e apresente-os de forma bem fundamentada.

Quais as características de uma proposta bem sucedida, na opinião dos doadores?

Quando ela possibilita aos doadores ver como seu investimento resultará num impacto de longo prazo, indicando os planos para a sustentação no futuro;

A que revela o interesse e o compromisso do Conselho da organização;

Quando demonstra que o solicitante refletiu claramente sobre o seu papel e suas políticas no contexto em que opera. E que, além de entender profundamente este contexto, consegue articular claramente a essência e a personalidade da organização na busca de soluções;

Ser bem estruturada, demonstrando com clareza o problema e os objetivos para enfrentá lo;

Comprovar que a organização já demonstrou ter capacidade para fazer um trabalho sólido, contando com líderes capazes, comprometidos, perseverantes e efetivos;

Apresentar maneiras inovadoras, consistentes e pouco usuais para resolver problemas;

Estar em sintonia com as prioridades da instituição doadora.

Quais são algumas das razões pelas quais uma proposta pode ser rejeitada?

Não estar em sintonia com os objetivos e prioridades da entidade doadora;

Ser genérica a ponto de poder ser atribuída a qualquer outra instituição;

Ter um orçamento bastante alto quando comparado com as despesas operacionais gerais da organização ou se há algo espantoso, como 60% de despesas administrativas;

Se não demonstra a capacidade da organização e de seu pessoal de levar adiante o projeto;

Discurso arrogante ou retórico;

Falta de honestidade ou falta de caráter.

Na proposta, qual é a seção mais importante, de maior peso?

Há um consenso generalizado entre os doadores sobre a importância da carta inicial ou do chamado sumário executivo, geralmente de uma página ou duas, que apresenta o resumo da proposta. É a primeira coisa que os doadores lêem. Há uma avaliação comum: se você não puder dizer quem é, o que pretende, onde, quando e porquê em uma página, não poderá fazê-lo em dez. Portanto, espera-se que nesta carta inicial ou sumário estejam contidos os seguintes aspectos:

Logo nos primeiros parágrafos, a organização deve dizer o que quer e como a proposta se encaixa nas prioridades programáticas do doador;

Fazer um resumo sobre o problema (ou necessidades), como o diagnosticaram e como pretendem solucioná-lo.
Em seguida, as partes da proposta (texto mais desenvolvido sobre o projeto) que mais merecem a atenção dos doadores são o orçamento e a caracterização da organização e do seu pessoal, para avaliar a capacidade da organização em implementar o projeto.

O que os doadores procuram no orçamento?

Cada doador tem seus formulários, esquemas ou roteiros próprios para apresentação de orçamentos. Mas numa fase de apresentação de propostas ou discussão inicial, você talvez tenha que apresentar seu orçamento a seu modo. Mas, de maneira geral, as atenções para os orçamentos estão voltadas para os seguintes aspectos:

A porção do orçamento solicitada ao doador;

As fontes de onde virão os outros recursos (governamentais, associados, outras financiadoras etc.);

Como a organização levará o projeto adiante se não obtiver tudo que pretende;

A parcela representada pelo orçamento do projeto no contexto do orçamento global da organização;

Comparações, não detalhadas, de três anos quando se trata de projetos em andamento (ano passado, este ano, ano que vem);

Os salários dos funcionários principais e o tempo que eles dedicarão ao projeto;

Os valores de contrapartida da organização ou comunidade e como evoluirão no tempo. Mas existem reservas quanto a contrapartidas orçadas em espécie, tais como trabalho voluntário, tempo de reunião etc., que elevam de maneira irreal o custo total do projeto;

Orçamentos bem estruturados, que indicam a natureza das despesas e sua evolução no período. Orçamentos muito detalhados são considerados inadequados, devendo ser usados apenas para gerenciamento interno da organização. Detalhes e explicações devem ser dadas em notas de rodapé.

Qual é considerado o tamanho ideal de uma proposta?


Embora cada doador tenha seus formulários e roteiros próprios, há uma grande tendência de valorizar propostas iniciais que tenham, no máximo, entre 3 e 8 páginas, com no máximo um ou dois anexos que sirvam para aumentar a compreensão de algum aspecto da proposta ou da organização. Informações detalhadas demais, que não foram solicitadas, ou pré propostas de 30 páginas, tendem a ser avaliadas por último. Os doadores alegam que, neste estágio inicial, uma organização deve colocar a essência do que está propondo. As informações adicionais são geralmente requeridas através dos formulários ou a partir do desenvolvimento do interesse pelo projeto.

A melhor forma de sua proposta chamar a atenção está no fato dela ser capaz de, assim como a carta inicial ou sumário executivo, apresentar claramente o problema e o modo como serão construídas as soluções, de modo direto, breve e sem jargões.

Qual a importância do layout na apresentação da proposta?

Os critérios fundamentais que elegem uma proposta com uma boa apresentação não estão ligados à capacidade de chamar a atenção pela sua forma, ao contrário do que muitas vezes se pensa. Pense nos profissionais que lerão sua proposta como pessoas que têm muitas outras propostas para analisar e que estão principalmente interessados nos conteúdos delas. A proposta não deve ser uma peça publicitária. O fundamental é que ela seja apresentada de modo a facilitar e agilizar o seu manuseio, a leitura e a compreensão do projeto. Para tanto, indica-se que uma proposta:

Apresente o pensamento escrito de maneira lógica, levando o leitor progressivamente a compreender a natureza e as características da execução do projeto;

Tenha tipos e tamanhos de letra que tornem a leitura fácil;

Seja grampeada, pois torna-se mais fácil desmontá-la e arquivá-la. Capas duras, espiral e pastas de plásticos com folhas soltas não são indicadas;

Contenha poucos materiais anexos, apenas os que realmente acrescentarem informações relevantes para a compreensão de seu projeto e que não exijam tempo ou esforço demasiado para serem vistos. Recortes de jornal, brochuras ou cartilhas, vídeos, gráficos e dados estatísticos têm valor limitado e muito provavelmente não são objeto de atenção, a não ser que sejam claramente muito importantes.

  • Além da experiência do autor, o texto se baseia também em um conjunto de opiniões de representantes de fundações americanas, contidas no livro Guide to proposal writing, de Jane C. Geever & Patricia McNeill, The Foundation Center, NY, 1993."
abcr

Associação Brasileira de Captadores de Recursos

09 novembro 2009

Concurso Cultural Saco de Ideias

O Concurso Saco de Ideias vai até o dia 30 de novembro de 2009, entre no site da AKATU e vote no video de reciclagem da amiga Lucia Messias, de uma força para um trabalho de preservação do meio ambiente.

"O Concurso Saco de Ideias é uma iniciativa do Instituto Akatu pelo Consumo Consciente que pretende sensibilizar e conscientizar a população brasileira para o consumo consciente de embalagens e sacolas plásticas. A ação conta com o apoio do Ministério do Meio Ambiente e com patrocínio do Carrefour."

Concurso Causos do ECA

Festa de premiação e lançamento do livro "Causos do ECA: Sua história é nossa história!" Clique aqui para confirmar sua participação no evento.
Quinto concurso Causos de ECA, dia 24 de novembro às 18:30 hs, na sala São Paulo, Praça Julio Prestes, s/n - São Paulo - SP.

07 novembro 2009

Selos

Mais um selo de uma amiga querida , com a qual tenho uma ótima parceria. É do Blog Lilika Forever, Artesanato sem Complicação.

06 novembro 2009

Fazendo o Futuro Acontecer

A rede somos nós, só basta multiplicar o bem, para termos um mundo melhor. Todos os nossos atos refletem em nossas vidas, em nosso planeta, precisamos ser atores mais conscientes, para com isso sermos exemplos para nossas crianças, pois elas herdarão a terra.


fonte: www.bancodoplaneta.com.br

04 novembro 2009

Modelo de Estatuto

Capítulo primeiro - Da denominação, da sede, duração e finalidade

Artigo 1º
Deverá conter o nome da instituição, seguido de sua sigla, endereço (incluindo rua, número e estado) e seu regime jurídico.
Por exemplo: o (nome da entidade) a seguir denominado pela (sigla), é uma associação civil, de direito privado, de caráter sócio ambiental (ou descreva a outra natureza da entidade), sem fins lucrativos, de duração indeterminada, regida pelo presente Estatuto e pelas demais disposições legais que lhe forem aplicadas.

Artigo 2º
Deverá conter os principais objetivos e finalidades da entidade.
Por exemplo: o (nome ou sigla) tem como objetivos principais: promover a defesa de bens e direitos sociais, coletivos e difusos relativos ao meio ambiente, ao patrimônio cultural, aos direitos humanos e dos povos; estimular o aperfeiçoamento e o cumprimento de legislação que instrumentalize a consecução dos presentes objetivos; promover projetos e ações que visem a preservação, bem como a recuperação de áreas degradadas no meio ambiente urbano e rural, bem como a proteção da identidade física, social e cultural de agrupamentos urbanos com recursos próprios ou advindos de convênios ou outras formas jurídicas possíveis; estimular a parceria, o diálogo local e solidariedade entre os diferentes segmentos sociais, participando junto a outras entidades de atividades que visem interesses comuns.

Artigo 3º
O (nome ou sigla) é isento de quaisquer preconceitos ou discriminações relativas à cor, raça, credo religioso, classe social, concepção política - partidária ou filosófica, nacionalidade em suas atividades, dependências ou em seu quadro social.

Artigo 4º
O (nome ou sigla) não remunera os membros do Conselho Diretor e Fiscal, não distribuindo lucros ou dividendos a qualquer título ou sob nenhum pretexto, sendo que os excedentes de receita, eventualmente apurados, serão obrigatória e integralmente aplicados no desenvolvimento dos objetivos institucionais. Dependendo se a entidade é caracterizada como OSCIPs, esta poderá remunerar seus diretores.

Artigo 5º
O (nome ou sigla) poderá aceitar auxílios, contribuições ou doações (depois de examinados e aprovados pela diretoria), bem como firmar convênios (nacionais ou internacionais) com organismos ou entidades públicas ou privadas, contanto que não impliquem em sua subordinação a compromissos e interesses que conflitem com seus objetivos e finalidades ou arrisquem sua dependência.

Artigo 6º
Diz respeito ao patrimônio da entidade.
Por exemplo: o material permanente, acervo técnico, bibliográfico, equipamentos adquiridos ou recebidos pelo (nome ou sigla) através de convênios, projetos ou similares, são bens permanentes da sociedade e inalienáveis, salvo autorização em contrário expressa pela Assembléia Geral de Sócios.

Capítulo Segundo - Da Constituição Social

Artigo 7º
A sociedade será formada de um número ilimitado de sócios, que se disponham a viver os fins da sociedade, não respondendo pelas obrigações sociais do (nome ou sigla).

Artigo 8º
Deverá conter as categorias de sócios existentes, ou seja, o quadro social da entidade.
Como por exemplo:
a) Sócios fundadores: os que participaram da Assembléia Geral de Fundação da Associação e assinaram a Ata da Fundação, com direito a votar e ser votado em todos os níveis ou instâncias;
b) Sócios efetivos: cidadãos dispostos a colaborar com a melhoria da qualidade de vida da população; qualquer associado ou pessoa que não seja fundador do (nome ou sigla), aprovados pela Assembléia Geral dos Sócios. Possuem direito a votar e ser votado em todos os níveis ou instâncias da sociedade;
c) Sócios beneméritos: pessoas físicas ou jurídicas que, pela elaboração ou prestação de relevantes serviços às causas da organização, fizerem jus à este título, a critério da Diretoria (e ratificados pela Assembléia Geral);
d) Sócios colaboradores: pessoas físicas que, identificadas com os objetivos da entidade, solicitarem seu ingresso e pagarem as contribuições correspondentes, segundo critérios determinados pelo Conselho Diretor.

Artigo 9º
Deverá conter os direitos de todos os sócios fundadores e efetivos.
Por exemplo:
a) fazer à Diretoria da Associação, por escrito, sugestões e propostas de interesse socias e/ou ecológicos;
b) solicitar ao presidente ou à Diretoria reconsideração da atos que julguem não estar de acordo com os estatutos;
c) tomar parte dos debates e resoluções da Assembléia;
d) apoiar, divulgar, propor e efetivar eventos, programas e propostas da entidade;
e) ter acesso às atividades e dependências do (nome ou sigla);
f) votar e ser votado para qualquer cargo eletivo, após um ano de filiação como sócio efetivo;
g) convocar Assembléia Geral, mediante requerimento assinado por 1/3 dos sócios efetivos.

Artigo10º
Deverá conter os deveres de todos os associados, como por exemplo:
a) prestigiar e defender a Associação, lutando pelo seu engrandecimento;
b) trabalhar em prol dos objetivos da sociedade, respeitando os dispositivos estatutários, zelando pelo bom nome do (nome ou sigla) agindo com ética;
c) não faltar às Assembléias Gerais;
d) satisfazer pontualmente os compromissos que contraiu com a associação, inclusive mensalidades;
e) participar de todas as atividades sociais e culturais, estreitando os laços de solidariedade e fraternidade entre todas as pessoas e nações;
f) observar na sede da Associação ou onde a mesma se faça representar as normas de boa educação e disciplina.

Capítulo Terceiro - Da Organização Administrativa

Artigo 11º
Deverá conter os órgãos da administração do (nome ou sigla), que são:
- Assembléia Geral
- Conselho Diretor
- Secretaria Executiva
- Conselho Fiscal

Da Assembléia Geral dos Sócios
Artigo 12º
A Assembléia Geral é o órgão máximo da entidade, dela participando todos os sócios fundadores, e os sócios efetivos que estejam em pleno gozo de seus direitos, conforme previstos nos estatutos.

Artigo 13º
A Assembléia Geral de Sócios elegerá um Conselho Diretor e Fiscal, definindo suas funções, atribuições e responsabilidades através de Regimento Interno.

Artigo 14º
A Assembléia Geral se reunirá ordinariamente, no final de cada ano para apreciar as contas da Diretoria, aprovação de novos sócios efetivos e a cada dois anos para eleger os Conselhos fiscal e diretor; e extraordinariamente, a qualquer período, convocada pelo Conselho Diretor, Fiscal ou por 1/3 dos sócios em pleno gozo de seus direitos, por motivos relevantes.

Artigo 15º
Deverá conter as atividades competentes à Assembléia Geral, como por exemplo:
- deliberar sobre o relatório de atividades, balanço e demais contas da sociedade, a serem apresentadas pelo Conselho Diretor;
- propor e aprovar a admissão de novos sócios efetivos;
- eleger o Conselho Diretor e Fiscal;
- autorizar a alienação ou instituição de ônus sobre os bens pertencentes ao (nome ou sigla);
- determinar e atualizar as linhas de ação da sociedade;
- estabelecer o montante da anuidade dos sócios.

Do Conselho Diretor
Artigo 16º
O Conselho Diretor é um órgão colegiado, com o mínimo de três membros, subordinado à Assembléia Geral de sócios, responsável pela representação social do (nome ou sigla), bem como possui a responsabilidade administrativa da sociedade, composto de sócios efetivos, com mandato de 02 anos, permitindo-se reeleição.


Artigo 17º
O Conselho Diretor nomeará uma Secretaria Executiva para responder pela gerência administrativa, legal e financeira da sociedade, em juízo ou fora dele.

Artigo 18º
Deverá conter as atividades competentes à Diretoria, como por exemplo:
- cumprir e fazer cumprir os presentes Estatutos e as resoluções da Assembléia;
- aprovar a criação ou extinção de programas e órgãos gestores;
- elaborar o orçamento anual (da receita e da despesa);
- definir seus cargos, funções, atribuições e responsabilidades mediante Regimento Interno próprio;
- nomear, contratar e destituir a qualquer tempo a Secretaria Executiva;
- elaborar programas de trabalho a serem desenvolvidos pelas diversas diretorias;
- emitir parecer sobre as operações de crédito, aquisição ou alteração de imóveis, ouvido o Comitê Científico.

Da Secretaria Executiva
Artigo 19º
A Secretaria Executiva é o órgão de administração da entidade, composto por dois ou mais secretários, nomeados pelo Conselho Diretor e referendados pela Assembléia Geral. Os secretários podem ser, por exemplo:
a) Secretário Executivo: representa a sociedade ativa e passivamente em juízo ou fora dele, podendo contratar e organizar o quadro administrativo, instituir programas, projetos, contratar serviços e terceiros, etc.;
b) Secretário Institucional: coordena a execução das atividades institucionais, programas, atividades administrativas gerais do (nome ou sigla), substituindo o Secretário Executivo e o Administrativo em qualquer impedimento;
c) Secretário Administrativo: coordena as atividades da sede social, do quadro de sócios e responde pela gerência administrativa e financeira da sociedade.

Artigo 20º
Deverá conter as atividades competentes à Secretaria Executiva, como por exemplo:
- formular e implementar a política de comunicação e informação da sociedade, de acordo com as diretrizes emanadas da Assembléia Geral;
- coordenar as atividades de captação de recursos da entidade;
- elaborar pareceres técnicos, em conjunto ou isoladamente, sobre projetos e atividades da entidade e de terceiros;
- elaborar a política geral de cargos e salários para aprovação pelo Conselho Diretor;
- aceitar doações e subvenções, desde que as mesmas não comprometam a autonomia e independência da entidade;
- elaborar o Regimento Interno para aprovação do Conselho Diretor;
- coordenar a elaboração de projetos.

Do Conselho Fiscal

Artigo 21º
O Conselho Fiscal, composto de três membros efetivos e dois suplentes, será eleito simultaneamente ao Conselho Diretor, na mesma Assembléia Geral Ordinária, com mandato de dois anos.
Artigo 22º
Deverá conter as atividades competentes ao Conselho Fiscal, como por exemplo:
-auxiliar o Conselho Diretor na Administração do (nome ou sigla);
-analisar e fiscalizar as ações do Conselho Diretor e a prestação de contas da Secretaria Executiva e demais atos administrativos e financeiros;
-convocar Assembléia Geral dos Sócios a qualquer tempo.

Capítulo Quarto - Das eleições
Artigo 23º
As eleições para a Diretorias ocorrerão a cada ( ) anos, pela Assembléia Geral, podendo compor chapa todos os sócios efetivos, mas concorrendo apenas para uma única chapa, e podendo seus membros serem reeleitos por igual período.

Capítulo Quinto - Das Disposições gerais e transitórias
Artigo 24º
Por exemplo: Os bens patrimoniais do (nome ou sigla) não poderão ser onerados, permutados ou alienados sem a autorização da Assembléia Geral dos Sócios, convocada especialmente para esse fim.

Artigo 25º
Por exemplo: O Conselho Diretor deverá baixar regimentos especiais para a regulamentação deste Estatuto.

Artigo 26º
Por exemplo: Nenhuma categoria dos sócios responde, nem mesmo subsidiariamente, pelas obrigações ou compromissos assumidos pelo (nome ou sigla).

Artigo 27º
Por exemplo: Os casos omissos serão resolvidos pelo Conselho Diretor, com recurso voluntário para a Assembléia Geral.

Captação de Recursos

Curso de Captação de Recursos e Ferramentas de Marketing Social para Sustentabilidade de Ongs e Projetos
Dias 26, 27 e 28 de novembro em Fortaleza
www.dearo.com.br

03 novembro 2009

Selos

Um selo especial de uma amiga muito especial, Rosangela Ataide, do Blog @Narede. Obrigado amiga.

02 novembro 2009

Antonio Vivaldi

Antonio Vivaldi era filho de violinistas e ingressou na igreja para escapar das dificuldades econômicas da época. Dos 15 aos 25 anos estudou religião e música, tornando-se padre nesta tenra idade. Por sofrer de asma e por ter dons musicais extraordinários, dedicava-se inteiramente a arte. Ensinou música numa instituição (Ospedale della Pietà), que cuidava de filhos ilegítimos abandonados. Compositor e instrumentista de grande talento, foi professor de música até 1740. Considerado frágil e de saúde precária, não deixou que isso o impedisse de escrever milhares de paginas de boa música, algumas descobertas há pouco tempo. Tinha uma vida amorosa muito movimentada, tendo um relacionamento com Ana Giro, uma cantora, filha de um cabeleireiro francês, provocando assim a indignação do clero.

Algumas lendas se formaram em torno dele, uma delas conta que ele saia correndo, em meio a uma missa, para anotar uma melodia que lhe ocorrera. Por essa história, Vivaldi seria afastado das funções sacerdotais pelo Tribunal da Inquisição. Johann Sebastian Bach admirava Vivaldi, aponto de transcrever vários dos seus concertos. Sua obra só começou a ser redescoberta em 1945, quando o musicólogo Marc Pincherle, teve a idéia de publicá-las.

De sua obra conservam-se quase 500 concertos, compostos na maior parte para um instrumento solista, orquestra de cordas e contínuo. Destacam-se as coleções L'estro armonico (1712), La stravaganza e Il cimento dell'armonia e dell'inventione (1720), que inclui os concertos conhecidos como Le quattro stagioni (As quatro estações). Sua obra mais famosa, As quatro estações, é de um valor dramático e beleza surpreendente. Vivaldi nasceu em Veneza em 1678 e morreu em Viena em 1741.

Passo a passo de como criar uma ONG