Pesquisar este blog

19 dezembro 2011

50 anos de exclusão

Não adianta apenas ficar achando que tudo vai mudar de uma hora para outra, ou que nada da certo nesse país. É hora de implantar projetos sérios, que tenham como objetivo a capacitação de nossos jovens, a educação e a cultura, além de projetos que tenham como finalidade a geração de renda, para que a cidadania plena seja alcançada por todos.

Desde os anos 50 o mapa da exclusão mudou pouco ou quase nada. Na opinião economista Ricardo Amorim, pesquisador do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), "a região Norte e Nordeste continuam sendo as mais pobre e as mais afetada pelas questões de desigualdade e de pobreza no Brasil, “o que é gravíssimo” porque, nesse período, é quando o Brasil dá um salto industrial fantástico. "Mesmo assim, nós não conseguimos melhorar a distribuição da riqueza no Brasil inteiro.”

A favelização dos grandes centros, a imensa concentração da pobreza e o aumento da migração são reflexos dessa exclusão. A falta de interesse político de nossos governantes faz com que o aumento da favelização, traga problemas ainda mais agravantes, como o trafico de drogas e a banalização da violência.

O que falta não são formulas mágicas, mas sim vontade política e um desejo de realmente querer mudar essa situação. Reforma agrária, reforma tributária e um plano sério para melhor distribuição de renda, podem ser o caminho para a mudança desse quadro. Não esquecendo também da criação de empregos, para que nossos jovens não sejam mais aliciados pelo trafico, com vantagens ilusórias, que apenas os levam a uma morte prematura.

fonte : Moderador do Banco do Planeta

2 comentários:

  1. Victor, a situação de pobreza de certos lugares parece não ter fim.
    Mas até grandes centros urbanos podemos ver a marginalização do ser humano, digo no sentido da falta de apoio humanitário.

    Sds

    ResponderExcluir
  2. a desigualdade e algo muito comprometedor ,para o desenvolvimento do ser humano, são por estas razões, que temos muito a aprender ,para conseguirmos uma sociedade mais justa.
    Espero que não demore,senão meus tataranetos vão sofrer muito...fuiiiiiiiiiii

    ResponderExcluir

Caso tenha gostado do que encontrou aqui, comente o artigo que acabou de ler.

Passo a passo de como criar uma ONG

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *