Pesquise Modelo de Projeto Social

30 outubro 2008

Projetos sociais - Ajudem o site do Câncer de Mama

Em apoio ao meu amigo do diHITT, Jorge Fortunato, postei esse pedido de ajuda para o site do Câncer de Mama.

Se quiser ajudar clique na imagem acima.

25 outubro 2008

Artes: Milhões de vidas para salvar

Agradeço aqui, mais uma vez, a inspiração vinda do blog Eu, Eu Mesma e Tine.
James Nachtwey
Norte-americano nascido em Syracuse e criado em Massachusetts, formou-se na Dartmouth College, onde estudou História da Arte e Ciências Políticas (1966-70). Trabalhou a bordo de navios da Marinha Mercante e, enquanto aprendia a fotografar sozinho exerceu as funções de estagiário de edição de filmes documentários e motorista de caminhão. As imagens da Guerra do Vietnã tiveram um forte impacto sobre ele e foram decisivas para a descoberta de sua vocação. Ele recorda como, nos anos 70, foi profundamente afetado pela famosa foto de Nick Ut, da menina vietnamita correndo nua e com a pele queimada após um ataque americano.
“Foi uma poderosa denúncia de guerra, da crueldade e da injustiça. Decidi seguir esta tradição”.
fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/James_Nachtwey

23 outubro 2008

Opinião: Intolerância religiosa

Fanatismo
[Do fr. fanatisme.]
S. m.
1. Qualidade, caráter, espírito ou procedimento de fanático (1 a 4).

Fundamentalismo
[Do ingl. fundamentalism.]
S. m. Rel.
1. Observância rigorosa à ortodoxia de doutrinas religiosas antigas, esp. do islamismo.
2. Observância rigorosa às crenças religiosas tradicionais, esp. em grupos protestantes dos Estados Unidos, depois da I Guerra Mundial, que enfatiza a interpretação literal das escrituras, a segunda ressurreição de Cristo, a virgindade de Maria, etc.

Fundamentalismo islâmico.
1.Rel. Crença em que a revivescência do mundo islâmico virá apenas através da volta aos costumes tradicionais e à prática religiosa do antigo Islã, esp. a volta a uma sociedade nos moldes da comunidade do séc. VII, estabelecida por Maomé em Medina, governada pela sharia (q. v.) e com o suporte, se necessário, do jihad (q. v.), e, sobretudo, dando ênfase à interpretação literal do Alcorão para a conservação da identidade cultural e como reação à ocidentalização do povo islâmico.
fonte: Dicionário Aurélio

No dia 02/06 o Centro Espírita Cruz de Oxalá, no Catete, foi invadido e depredado por quatro jovens evangélicos, coloco aqui o meu repudio a esse ato insano.
O preconceito e a discriminação as religiões Afro ou quaisquer outras, não condizem com a tradição do povo brasileiro, de respeito a toda e qualquer crença religiosa. Atos de intransigência e agressão devem ser repudiados e condenados. Não devemos de forma alguma permitir, que se instalem em nosso país essas formas de fanatismo. Mergulhar nesse tipo de fundamentalismo é voltarmos à idade média. Os Talibãs levaram o Afeganistão ao caos, fazendo com que seu povo voltasse à era das trevas, baseados nesse tipo de conduta. Somos um país livre e como tal jamais admitiremos tamanha insanidade.

21 outubro 2008

Cinema: O Brasil enquanto África

O Projeto Viver Vida me mandou esse.
A Rede Mundial de Artistas organiza a atividade Burkina Faso: O Brasil enquanto África, que irá exibir o documentário Sete Dias em Burkina, de Carlinhos Antunes e Márcio Werneck.
Após o filme, haverá debate com os diretores e também com Koudbi Koala, de Burkina Faso, músico e diretor da NAK ( Nuitis Atypiques de Koudougou); Mbuta Paschoal, de Angola, membro da Fong (Fórum de Ongs de Angola); Faustino Mesquita, também de Angola, fundador da Ammar (Ação Angolana para o Melhoramento e Apoio ao Meio Rural).
Além disso, haverá apresentação musical de Carlinhos Antunes e grupo e declamação de poemas de Hamilton Faria, coordenador da área de desenvolvimento cultural e do Pontão Temático de Cultura de Convivência e Paz do Instituto Pólis.

Data: 25 de outubro - à partir das 15h
Local: Instituto Pólis - Rua Araújo, 124 - Vila Buarque (próximo ao metrô República)
Inscrições: 11 2174 6840 ( com Carol ou Luis)
http://www.polis.org.br/noticias_interna.asp?codigo=677

20 outubro 2008

Projetos sociais: 4º Concurso Causos do ECA

As inscrições do 4º concurso Causos do ECA começam dia 03 de novembro. Quem quiser se inscrever clique aqui.

http://www.pro-menino.org.br/inscricoes/

Projetos sociais: Prorrogadas inscrições ao Prêmio Chico Mendes de Meio Ambiente

As inscrições ao Prêmio Chico Mendes de Meio Ambiente foram prorrogadas para até o dia 27 de outubro. As propostas devem ser enviadas obrigatoriamente por meio de remessa postal registrada e endereçada à Caixa Postal 10805, CEP 70306-970, Brasília, DF.
Os trabalhos podem ser inscritos nas categorias liderança individual, associação comunitária, organização não-governamental, negócios sustentáveis, educação ambiental e município. Podem concorrer pessoas físicas ou jurídicas de direito privado com ou sem fins lucrativos, instituições de pesquisa públicas e privadas, ongs, sindicatos e associações comunitárias.
Nos dias 3 e 4 de novembro, a comissão julgadora se reunirá para avaliar as propostas. O resultado oficial será divulgado em dezembro. Regulamento e ficha de inscrição em www.mma.gov.br Informações: (61) 3105-2093 / 3105-2090 ou premiochicomendes@mma.gov.br

18 outubro 2008

Literatura: Pedro Veludo

Há muito vinha esperando a oportunidade de postar algo sobre meu talentoso amigo Pedro Veludo. Participei com ele em alguns poucos trabalhos teatrais e desse tempo de convivência trago boas lembranças.

Pedro Veludo nasceu no Porto, em Portugal, morou em Moçambique uma boa parte da sua vida, mas adoptou o Brasil como sua terra. Formou-se em Engenharia de Telecomunicações e fez Formação de Ator e algumas disciplinas de Direção, na UNI-RIO. Tocou baixo em uma banda de rock, foi vocalista em um dueto de música popular, produziu espetáculos de variedades, foi ator de teatro e experimentou algumas práticas circenses.Escreveu livros, plantou árvores e gerou filhos, mas... continua não se sentindo realizado. Contudo, como espera viver muitos anos, tenciona ainda escalar as montanhas mais bonitas do Brasil, aprender a tocar saxofone, conhecer uma boa parte do mundo, ilustrar um texto de sua autoria e estudar Filosofia.Porém, e porque na vida há pedras no caminho que precisam ser puladas, em 2006 teve que fazer um, BEM SUCEDIDO, transplante de medula óssea para debelar um mieloma múltiplo que teimou em se atravessar no seu percurso.
Atualmente reata ou faz novas amizades, escala montanhas, realiza oficinas de leitura e, além dos textos inclusos no seu Quadro de Avisos aos Navegantes, faz roteiros para vídeo e CD-ROM.
Saiba mais: muraldopedroveludo.blogspot.com
Livros editados por Pedro Veludo

A Sétima Maldição é ambientado em um lugarejo "perdido" onde várias linhas narrativas correm paralelas: a paixão entre o personagem principal e uma jovem do lugar; os estranhos fatos que ocorrem setenta dias após Dona Eronquínea acordar com o maxilar inferior destroncado e a cabeça para os pés da cama; as descobertas e dificuldades de um autor, às voltas com a sua primeira obra de fôlego...
Beirando o realismo mágico, essas linhas se entrelaçam e enriquecem mutuamente, levando a um final surpreendente.
"A Sétima Maldição", 160 págs, Ed. Razão Cultural, Rio de Janeiro, Brasil; pedidos: (++351961289578).

Álbum de Retratos
Crônicas envolvendo os mais variados assuntos, predominando viagens.
"Álbum de Retratos reúne fotos tremidas, tiradas quase ao acaso pela minha câmera interior. Seguem sem retoques, o que, se nem sempre permite divisar com clareza todos os elementos, tem o condão de mostrar, com fidelidade,
flagrantes de momentos meus" (Pedro Veludo).
"Álbum de Retratos", Ed. Graffitti, 80 págs, 2ª ed., 2000, Rio de Janeiro, Brasil; pedidos: (++351961289578).



Livros infantis:
A Coleção da Fábrica de Pipas visa, de um modo lúdico e no fazer pipas, discutir conceitos atuais. Alguns livros desta coleção tem sido adotados em colégios e servido como ferramenta de melhoria da QUALIDADE DE VIDA em numerosas empresas brasileiras.

A FÁBRICA DE PIPAS SALVA-VIDAS
Na fábrica de pipas, os garotos estão preocupados. O pai de um deles sofre um acidente, necessitando de uma transfusão de sangue. Em linguagem infantil, o livro desmistifica o ato de doar sangue, limpando-o de tabus que lhe são normalmente associados, contribuindo para a formação do doador do futuro.
Texto de Pedro Veludo
Prefácio da Dra. Cristina Pessoa
Ilustrações de Korby
Editora FIOCRUZ, Rio de Janeiro
Tel: 0(xx)21-25982701

LUZ NA FÁBRICA DE PIPAS
Na fábrica de pipas, os meninos precisam, num curto espaço de tempo, fabricar uma grande quantidade de pipas, e procuram ajuda. Quem aparece é Xico, um garoto cego, que vai mudar as idéias deles sobre a cegueira e as cegueiras.O texto inclui o alfabeto Braille na primeira página do livro; o final da história apenas poderá ser conhecido, decifrando-se o último parágrafo, escrito em Braille.
Texto de Pedro Veludo
Ilustrações de Korby

SOLIDARIEDADE NA FÁBRICA DE PIPAS
Trata-se do terceiro livro da série da Fábrica de Pipas. Desta vez, os três garotos, assoberbados de trabalho e angustiados com o problema dos menores abandonados, admitem dois "meninos de rua" como sócios da fábrica.
Em linguagem simples, o livro aborda o excluído com solidariedade, oferecendo uma opção viável do exercício da Cidadania.
Texto de Pedro Veludo
Ilustrações de Korby

5 S NA FÁBRICA DE PIPAS
O 5 S é um programa da Qualidade Total, hoje implantado em muitas instituições de vários países. Basicamente se constitui de cinco passos que, sendo seguidos, tornam a vida mais fácil e prazerosa. O livro conta a história de Pedro, Raoni e Daniel cuja fábrica de pipas só não entra em colapso porque o tio de um dos garotos os introduz nos conceitos do 5 S. Com um conteúdo didático, 5 S na Fábrica de Pipas vai ajudar a criança a se organizar tanto no colégio como no lar.
Texto de Pedro Veludo
Ilustrações de Korby

A FÁBRICA DE PIPAS
A Fábrica de Pipas é o primeiro livro editado no Brasil, destinado à faixa etária de 7 a 10 anos, enfocando a Qualidade Total. O livro conta a história de 3 meninos que tinham uma fábrica de pipas onde tudo corria mal. Um dia, porém, eles descobrem a Qualidade Total, que no fundo se resume em fazer com que "todo o mundo fique satisfeito", e as coisas começam a mudar. Com a Fábrica de Pipas, a criança adquire de uma maneira divertida, uma noção introdutória básica do significado e importância da Qualidade Total.
Texto de Pedro Veludo
Ilustrações de Cristina Cabus
Informações e aquisição de livros: Contato direto com o autor:
Tel: ++351961289578
Quer saber mais sobre Pedro Veludo, cilque em http://br.geocities.com/pedro.veludo/

17 outubro 2008

Projetos sociais: Casa Perfeita Alegria Precisa de voluntário

Multipliquem esse post por favor

Casa Perfeita Alegria situada a Rua Mário de Araújo 2013-sobrado em Nilópolis/RJ, está organizando suas atividades para o ano de 2009. Acreditamos ser esse um ótimo momento, para a chegada de novos voluntários. Precisamos de pessoas interessadas em ser voluntários nas seguintes áreas: Professores, recepcionistas, serviços gerais, administradores, artesãos, artistas, músicos, bibliotecários, psicólogos, assistentes sociais e outras pessoas dispostas a mudar a vida e a transformar a realidade dos moradores de comunidade carente, através da educação e cultura. O trabalho é difícil, porém com a ajuda de pessoas e de forma organizada chegaremos lá. Nossos contatos são os seguintes:
Rua Mário de Araújo 2013-sobrado Nilópolis RJ
Tel. 2792-0598 (seg. a sex. de 14 às 17hs e sábados entre 9 e 17 hs)
Cel. 8246-4082
E-mail: perfeitalegria@yahoo.com.br (coloque no assunto: voluntariado)

16 outubro 2008

Escolas Literárias

Esse post é uma parceria com o Projeto Livros Para Todos. Quer saber mais, visite: www.livrosparatodos.net

Barroco (Século XVII)

Este poema (soneto) foi escrito no final do século XVII pelo poeta Gregório de Matos e Guerra. O título é comprido: Moraliza o Poeta nos Ocidentes do Sol a Inconstância dos Bens do Mundo e, genericamente, mostra a forma e a temática do Barroco.

Nasce o Sol, e não dura mais que um dia,
Depois da luz se segue a noite escura,
Em tristes sombras morre a formosura,
Em contínuas tristezas a alegria.

Porém, se acabar o Sol, por que nascia?
Se é tão formosa a luz, por que não dura?
Como a beleza assim se transfigura?
Como o gosto da pena assim se fia?

Mas, no Sol, e na Luz falte a firmeza,
Na formosura não se dê constância,
E na alegria sinta-se tristeza.

Começa o mundo enfim pelo ignorância,
E tem qualquer dos bens por natureza
A firmeza somente na inconstância.

Este poema é barroco. Por quê? O poeta utiliza-se da antítese para expressar (ou tematizar) que tudo na vida e na Natureza é passageiro, é transitório, é efêmero. Essa expressão é acompanhada de uma angústia existencial que se faz presente por ele constatar o ministério da marca inexorável do tempo. O Barroco, como estilo literário, predominou no Brasil na segunda metade do século XVII (1601-1700) e foi fortemente influenciado pela religiosidade da época. Essa religiosidade resultara dos dogmas e dos valores estabelecidos pelo Concílio de Trento (1545-1563). Foram os padres jesuítas que divulgaram o pensamento do referido concílio. Ora, como o Brasil colonial foi educado pelos jesuítas, seria evidente que os escritores da época expressassem, nos seus contextos, a idéia religiosa dominante: a transitoriedade da vida.

Os textos barrocos apresentam algumas características formais, como as apresentadas a seguir:

Antítese:

Os vivos são pó levantados; os mortos são pó caído.

Padre Antônio Vieira

Paradoxo:

O mal que consome me sustenta,
O bem que me entretém me dá cuidado.

Gregório de Matos e Guerra

Verso Invertido:

Se a ovelha perdida e já cobrada
Glória tal e prazer tão repentino
Vos deu, como afirmais na Sacra História.

Gregório de Matos e Guerra

Versos interrogativos:

Que amor sigo? Que busco? Que desejo?
Que enleio é ese vão de fantasia?

Gregório de Matos e Guerra

Símbolos e metáforas:

É a verdade, Fábio, nesta vida,
Rosa que manhã lisonjeada
Púrpuras mil com ambição doirada,
Airosa rompe, arrasta presumida.

Gregório de Matos e Guerra

Cultismo:

Ofendi-vos, meu Deus, bem é verdade,
É verdade, meu Deus, que hei delinqüido,
Delinqüido vos tenho e ofendido,
Ofendido vos tem minha maldade.

Gregório de Matos e Guerra

Observação: O cultismo era, na época, uma tendência de o poeta expressar-se ludicamente, isto é, fazer jogo de palavras e trocadilhos

Conceptismo:
Que Demócrito não risse, eu o provo; Demócrito ria sempre. Logo, nunca ria. A conseqüência parece difícil e é evidente. O riso, como dizem os filósofos, nasce da novidade ou admiração e, cessando a novidade e a admiração, cessa também o riso; e como Demócrito se ria dos ordinários desconcertos do mundo, e o que é ordinário e se vê sempre não pode causar nem admiração nem novidade, segue-se que nunca ria, rindo sempre, pois não havia matéria que motivasse o riso.

Padre Antônio Vieira

09 outubro 2008

Projetos sociais: Ajudem

Esse é um pedido de doação da minha amiga Tatiana Duarte Neves (Rio de Janeiro/RJ), cadastrada no portal do voluntariado. quem puder dar uma força, nós agradecemos.

"Não permita que alguém saia de sua presença sem estar melhor e mais feliz." Esta frase resume toda a minha vida. Sou voluntária na rede ODC da IBM. Sinto que estar engajada em alguma ação voluntária, ajudando ao próximo. faz parte de minha natureza.
Tatiana Duarte Neves

Título: Ajude ao Educandário Social Lar de Frei Luiz
Estrada da Boiúna, 1733 - Taquara - Jacarepaguá - CEP 22723-021 Rio-RJ
Tel: (0**21) 2440-4844- Fax:(0**21) 2440-7055 - Gráfica:(0**21) 3477-0908
http://www.lardefreiluiz.org.br/index_br.html

Precisa de doação

Data de postagem: 03/10/2008

Válida até: Deus nos permitir ajudar ao próximo

Descrição: Doacões diversas.

Como Ajudar
Colabore com o Educandário Social Lar de Frei Luiz, entidade Filantrópica, sem fins lucrativos, que abriga 220

crianças e 50 idosos carentes, dando-lhes total assistência gratuita. As colaborações podem ser feitas das seguintes

formas:

Doações diversas que posso buscar no RJ;

Depósito Bancário :

Banco Itaú S/A
Agencia 314 Taquara-Jacarepaguá
Conta-Corrente 10710-3

Pelo e-mail direto : doacoes@lardefreiluiz.org.br ;

Dúvidas : entre em contato comigo Tatiana celular : 21 82359975

Fiquem com Deus e muito obrigada !!

08 outubro 2008

Projetos sociais: Ajude o Projeto Viver Vida

Ajude o Projeto Viver Vida - Faça uma Doação/Veja como pode nos ajudar
Precisamos de Doações:
*computadores para montagem da sala de informática.
*móveis (carteiras/armários) para montagem da salas de aulas e cursos.
*material de papelaria(cartuchos)
*livros para montagem da Biblioteca
*videos para montagem da Videoteca
*brinquedos educativos
*móveis para cozinha/refeitório
*todo tipo de doação para montagem de Bazar Fixo em nosso local.
Estamos com local para início das nossas atividades, contamos com a ajuda de pessoas solidárias/parceiras.

Somos uma ong e ajudamos outras instituições, toda doação será muito bem utilizada.

Retiramos no local.

nosso email
projetovivervida@gmail.com

06 outubro 2008

Literatura: I Concurso de Redação da UGB

O Centro Cultural Aracy Carvalho Di Biase e o Instituto Superior de Educação da UGB, convidam pelo presente, sua escola/curso a participar do I Concurso de Redação da UGB. O concurso está inserido na Festa Literária Vale das Artes, que será realizada nos dias 12 e 13 de outubro de 2008. O evento tem o objetivo de estimular a educação, a arte, a literatura/escrita e a cultura, uma vez que esses são meios legítimos para conquista e a construção de uma cidadania plena e consciente. Acreditamos que formando cidadãos a partir desses princípios, estamos sempre caminhando para um futuro melhor e mais digno para o Brasil, uma vez que ações locais têm repercussões regionais e conseqüentemente nacionais. Para tanto, elegemos como tema “A importância do professor na sociedade".

Todas as instruções seguem no regulamento. Cada escola pode participar com até 10 redações e os cursos de licenciatura com 15 redações, que devem ser encaminhadas junto com as fichas de inscrição devidamente preenchidas.

Contamos com a participação, colaboração e empenho de todos.

A divulgação dos dez primeiros classificados acontecerá por meio do site do UGB (www.ugb.edu.br) e a premiação dos três primeiros colocados no evento Festa Literária Vale das Artes, no dia 13 de outubro de 2008. Na parte da tarde, das 14:00h. às 17:00 h. teremos a premiação da primeira e da segunda categoria (Ensino Fundamental e Médio) e às 19:00h. a premiação da terceira categoria (Ensino Superior).
Regulamento e ficha de inscrição no site da UGB. http://www.ferp.br/site/corpo/redacao/redacao.htm

05 outubro 2008

Literatura: Livro sobre MPB é lançado no Rio


Meu amigo , o poeta Euclides Amaral está lançando no Rio livro inédito sobre MPB. Apareçam lá, a entrada é franca.
O acervo da Música Popular Brasileira acaba de ganhar mais uma contribuição. No próximo dia 15 de outubro será lançado, no Centro Cultural Memórias do Rio, rua Gomes Freire, 289 (às 20 horas/entrada franca), o livro 'Alguns Aspectos da MPB', do poeta, letrista, produtor e pesquisador Euclides Amaral. Produzida pela Esteio Editora, a obra documenta e descreve a história do choro, do samba, do hip-hop e do funk, além de mapear a MPB no cinema nacional.
Euclides Amaral explica: "O objetivo do livro é documentar alguns dos gêneros que integram a MPB e destacar aspectos principais de cada um deles". Segundo Júlio Diniz, Diretor do Departamento de Letras da PUC-Rio, crítico e autor do prefácio: "O livro é dividido em oito blocos dedicados a temas importantes que têm a música popular brasileira como eixo de articulação"
Bairro boêmio do Rio e cenário de diversas manifestações artísticas, o autor escolheu a Lapa como palco para o lançamento da obra. Além da tradicional sessão de autógrafos, a noite reserva canjas agradáveis com muito samba, choro e poesia. Após o lançamento a publicação poderá ser encontrada nos seguintes endereços: Livraria Leonardo da Vinci – Av. Rio Branco, 185 ; Livraria Arlequim - Paço Imperial - Praça XV; Esteio Editora, em Duque de Caxias, pelo telefone 4128-0458 e www.plurarte.com.br (loja virtual).
Sobre o autor:
Euclides Amaral é autor de seis livros de poesia e um de contos (Editora Aldeia). Estudioso de MPB, trabalha no Instituto Cultural Cravo Albin e é um dos pesquisadores do "Dicionário Houaiss Ilustrado da Música Popular Brasileira" (Editora Paracatu, 2006). Produziu discos para artistas/selos independentes e gravadoras. Como letrista tem composições gravadas em parceria com Renato Piau, Sidney Mattos, Cacaso, Xico Chaves, Reizilan, Marko Andrade, Rubens Cardoso, entre outros. Dentre seus intérpretes destacam-se Luiz Melodia, Carlos Dafé, Lúcio Sherman, Anna Pessoa e Elza Maria. Mais dados sobre o autor: www.dicionariompb.com.br

02 outubro 2008

Literatura: Carta do Chefe Seattle

Quando escreveu esta carta, endereçada ao Presidente dos Estados Unidos da América, Franklin Pierce, em 1845; o chefe Seatle da tribo dos Duwamish, nunca imaginaria que ela se tornaria atual até os dias de hoje. Um dos mais belos e magníficos discursos em defesa do meio ambiente já escrito, a carta, era uma resposta a oferta feita pelo Presidente Franklin Pierce, para compra das terras dos Duwamish, oferecendo em troca uma nova reserva. Os índios Duwamish habitavam a região onde hoje se encontra o Estado americano Washington , no extremo Noroeste dos Estados Unidos, divisa com o Canadá, logo acima dos Estados de Montana, Idaho e Oregon e era considerado um paraíso na terra. A carta original encontra-se na "University of Washington Special Collection".

"Como é que se pode comprar ou vender o céu, o calor da terra? Essa idéia nos parece estranha. Se não possuímos o frescor do ar e o brilho da água, com é possível comprá-los? Cada pedaço desta terra é sagrado para meu povo. Cada ramo brilhante de um pinheiro, cada punhado de areia das praias, a penumbra da floresta densa, cada clareira e inseto a zumbir são sagrados na memória e experiência de meu povo. A seiva que percorre o corpo das arvores carrega consigo as lembranças do homem vermelho. Os mortos do homem branco esquecem sua terra de origem quando vão caminhar entre as estrelas. Nossos mortos jamais esquecem esta bela terra, pois ela é a mãe do homem vermelho. Somos parte da terra e ela faz parte de nós. As flores perfumadas são nossas irmãs; o cervo, o cavalo, a grande águia, são nossos irmãos. Os picos rochosos, os sulcos úmidos nas campinas, o calor do potro, e o homem - todos pertencem a mesma família. Portanto quando o Grande Chefe de Washington manda dizer que deseja comprar nossa terra, pede muito de nós. O Grande Chefe diz que nos reservará um lugar onde possamos viver satisfeitos. Ele será nosso pai e nós seremos seus filhos. Portanto, nós vamos considerar sua oferta de comprar nossa terra. Mas isso não será fácil. Essa terra é sagrada para nós.Essa água brilhante que escorre nos riachos não é apenas água, mas o sangue de nossos antepassados. Se lhes vendermos a terra, vocês devem lembrar-se que ela é sagrada e devem ensinar as suas crianças que ela é sagrada e que cada reflexo nas águas límpidas dos lagos fala de acontecimentos e lembranças da vida de meu povo. O murmúrio das águas é a voz de meus ancestrais. Os rios são nossos irmãos e saciam nossa sede. Os rios carregam nossas canoas e alimentam nossas crianças. Se lhes vendermos nossa terra, vocês devem lembrar e ensinar a seus filhos que os rios são nossos irmãos e seus também. E, portanto, vocês devem dar aos rios a bondade que dedicariam a qualquer irmão.

Sabemos que o homem branco não compreende nossos costumes. Uma porção da terra, para ele, tem o mesmo significado que qualquer outra, pois é um forasteiro que vem à noite e extrai da terra aquilo de que necessita. A terra não é sua irmã, mas sua inimiga, e quando ele a conquista, prossegue seu caminho. Deixa para trás os túmulos de seus antepassados e não se incomoda. Rapta da terra aquilo que seria de seus filhos e não se importa. A sepultura de seu pai e os direitos de seus filhos são esquecidos. Trata sua mãe, a terra, e seu irmão, o céu como coisas que possam ser compradas, saqueadas, vendidas como carneiros. Seu apetite devorará a terra, deixando somente um deserto. Eu não sei, nossos costumes são diferentes dos seus. A visão de suas cidades fere os olhos do homem vermelho. Talvez seja porque o homem vermelho é um selvagem e não compreenda. Não há lugar quieto na cidade do homem branco. Nenhum lugar onde se possa ouvir o desabrochar das flores na primavera ou o bater das asas de um inseto. Mas talvez porque eu sou um selvagem e não compreenda. O ruído parece somente insultar os ouvidos. E o que resta da vida se um homem não pode ouvir o canto solitário de uma ave ou o debate dos sapos ao redor de uma lagoa à noite? Eu sou um homem vermelho e não compreendo.

O índio prefere o suave murmúrio do vento encrespando a face do lago, e o próprio verão limpo por uma chuva diurna ou perfumado pelos pinheiros. O ar é precioso para o homem vermelho, pois todas as coisas compartilham o mesmo sopro - o animal, a árvore, o homem, todos compartilham o mesmo sopro. Como um homem agonizante há vários dias, o homem branco é insensível ao mau cheiro. Mas se vendermos nossa terra ao homem branco, ele deve lembrar que o ar é precioso para nós, que o ar compartilha seu espírito com toda a vida que mantém. O vento que deu a nosso avô seu primeiro aspirar também recebe seu último suspiro. Se lhes vendermos nossa terra, vocês devem mantê-la intacta e sagrada, como um lugar onde até mesmo o homem branco possa ir saborear o vento açucarado pelas flores dos prados. Portanto, vamos meditar sobre sua oferta de comprar nossa terra. Se decidirmos aceitar, imporei uma condição: o homem branco deve tratar os animais dessa terra como irmãos. Sou um selvagem e não compreendo outra forma de agir. Vi um milhar de búfalos apodrecendo na planície, abandonados pelo homem branco que os alvejou de um trem ao passar. Eu sou um selvagem e não compreendo como é que o fumegante cavalo de ferro pode ser mais importante que o búfalo, que sacrificamos somente para permanecermos vivos. O que é os homens sem os animais? Se todos os animais se fossem, os homens morreriam de uma grande solidão de espírito. Pois o que ocorre com os animais, breve acontecerá com o homem. Há uma ligação em tudo. Vocês devem ensinar as suas crianças que o solo a seus pés é a cinza de nossos avôs. Para que respeitem a terra, digam a seus filhos que ela foi enriquecida com as vidas de nosso povo. Ensinem as suas crianças o que ensinamos as nossas que a terra é nossa mãe. Tudo o que acontecer a terra, acontecerá aos filhos da terra. Se os homens cospem no solo, estão cuspindo em si mesmos. Isto sabemos: a terra não pertence ao homem, o homem pertence à terra. Isto sabemos: todas as coisa estão ligadas como o sangue que une a família. Há uma ligação em tudo. O que ocorrer com a terra recairá sobre os filhos da terra.

O homem não tramou o tecido da vida; ele é simplesmente um de seus fios. Tudo o que fizer ao tecido, fará a si mesmo. Mesmo o homem branco, cujo Deus caminha e fala com ele de amigo para amigo, não pode estar isento do destino comum. É possível que sejamos irmãos, apesar de tudo. Veremos. De uma coisa estamos certos e o homem branco poderá vir a descobrir um dia: nosso Deus é o mesmo Deus. Ele é o Deus do homem, e Sua compaixão é igual para o homem vermelho e para o homem branco. A terra lhe é preciosa, e ferí-la, é desprezar seu criador. Os brancos também passarão; talvez mais cedo que todas as tribos. Contaminem suas camas, e uma noite serão sufocados pelos próprios dejetos. Mas quando de sua desaparição, vocês brilharão intensamente, iluminados pela força do Deus que os trouxe a esta terra e por alguma razão especial lhes deu o domínio sobre o homem vermelho. Esse destino é um mistério para nós, pois não compreendemos que todos os búfalos sejam exterminados, os cavalos sejam todos domados, os recantos secretos da floresta densa impregnadas do cheiro de muitos homens, e a visão dos morros obstruídos por fios que falam. Onde está o arvoredo? Desapareceu. Onde está a águia? Desapareceu. É o final da vida e o início da sobrevivência. "
Esse post foi publicado no blog do Fred Benning.

01 outubro 2008

Opinião: Lembrete para quem vai votar

Fico triste em saber, que precisamos do exercito para que possamos exercer um direito que é nosso e que foi conquistado à duras penas. Fico triste em saber, que boa parte das pessoas que estão concorrendo nessas eleições, compactuam com o crime e a corrupção. Fico triste em saber, que a greve dos bancos só prejudica os idosos e os aposentados. Fico triste em saber que nossas crianças "desaparecem" todos os dias e nenhuma providência é tomada.
Mas penso que tudo isso tem solução, só depende de nos, só depende da nossa força de vontade. De querermos acertar, na hora de darmos nosso voto, para quem vai nos representar. Por isso pense bem antes de colocar seu voto na urna, ou digitá-lo na urna eletrônica. Escolha com calma e sabedoria. Não perca a oportunidade de contribuir com o resgate das nossas instituições. Não de seu voto para qualquer velhaco, apenas em troca de algum favor. Não de seu voto para quem vai continuar com o caos. Pense bem e vote em candidatos sérios e que tenham alguma proposta para a melhoria de nossa cidade, nosso país. Pense bem antes de votar!

Passo a passo de como criar uma ONG